Veja cronologia do seqüestro de Santo André

Caso foi o maior cárcere privado da história do Estado de São Paulo

da Redação, estadao.com.br

17 de outubro de 2008 | 20h20

13/10/2008 Às 13h30, Lindemberg invadiu o apartamento da CDHU onde Eloá, Nayara e outros dois amigos faziam um trabalho escolar   Às 20 horas, o pai de um dos meninos, estranhando a demora do filho em voltar para a casa, foi até o apartamento e acionou a Polícia Militar assim que descobriu o que ocorria dentro do imóvel   Às 21h15, um dos garotos foi liberado por Lindemberg   Às 23 horas o segundo garoto deixa o apartamento   14/10/2008 Pela manhã, Lindemberg fez três aparições nas janelas do apartamento. Por volta das 7 horas, ele e uma das reféns apareceram na janela basculante do banheiro e, um pouco mais tarde, ele voltou à janela com uma touca ninja acompanhado da outra jovem que ainda é mantida refém.   Às 15h50, uma das meninas apareceu na janela do banheiro e, em seguida, às 16h15, Alves colocou uma camiseta vermelha em uma das janelas do apartamento.   Por volta das 16 horas Nayara foi libertada por Lindemberg   Às 23 horas: polícia interrompe negociações   15/10/2008 A polícia retomou as negociações com Lindemberg pela manhã.   Nesta manhã, Lindemberg apareceu na janela, colocou o revólver para fora, mas não disparou.   Segundo a polícia, desde a tarde de segunda, quando o apartamento foi invadido, ele disparou quatro vezes contra as pessoas que estavam em frente ao local. Para evitar que os tiros atingissem alguém, a polícia isolou a área.   Eloá, de 15 anos, recebeu comida pela janela no começo da tarde. A comida foi colocada em uma trança de lençóis e puxada até o terceiro andar do prédio, pela janela do apartamento.   Nayara presta depoimento à polícia sobre o seqüestro.   Em entrevista à RedeTV, Alves afirmou que fez a menina refém pois "queria conversar".   16/10/2008 Até as 2 horas desta quinta-feira, da Rua dos Dominicanos, era possível se perceber luzes no interior do apartamento. Parte da claridade vinha do aparelho de TV, que foi desligado pelo seqüestrador depois deste horário   Por volta das 9 horas, Nayara, amiga da adolescente que foi solta na noite de terça-feira, voltou ao apartamento para tentar negociar o fim do seqüestro.   Momentos antes, Eloá apareceu na janela do apartamento e Lindemberg Alves, de 22 anos, estava atrás dela falando ao telefone. A nova tentativa de negociação foi frustrada e o pai de Eloá passou mal e teve que ser atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).   O superintendente de futebol do São Paulo e vereador eleito pelo DEM na capital paulista, Marco Aurélio Cunha, informou que iria para o local negociar com Lindemberg, mas foi impedido pela polícia   17/10/2008 O metalúrgico Luciano Vieira da Silva, pai da estudante Nayara Vieira, de 15 anos, foi "convidado" a se retirar da escola que abriga o QG da polícia. Ele queria saber notícias da filha.   Quatro soldados da Polícia Militar entraram em um apartamento vizinho ao de Eloá Cristina Pimentel da Silva, 15 anos, onde ela e a amiga Nayara são feitas reféns em Santo André   O contato com o seqüestrador ficou suspenso desde a tarde do dia 16   Às 4h50, desta sexta-feira houve troca de turno entre os policiais incumbidos de negociar com Lindemberg.   Vinte minutos depois, alguns dos PMs aproximaram-se da porta de entrada do imóvel, mas, por motivo ainda não informado, resolveram recuar. Durante toda a madrugada, a polícia não passou informação alguma à imprensa, que é mantida longe do bloco onde fica o apartamento da vítima.   Às 18h08, policiais do Gate invadiram o apartamento onde Lindemberg Alves, de 22 anos, mantinha Eloá, de 15, refém desde às 13h30 de segunda-feira. Eloá, baleada na cabeça e na virilha, está em estado grave. Nayara foi baleada no rosto e não corre risco de morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.