José Patrício/AE
José Patrício/AE

Veículos com 'Sem parar' deverão trocar aparelho no próximo ano

Proprietários terão que trocar equipamento até novembro de 2014

Solange Spigliatti, estadão.com.br

12 Março 2012 | 11h03

Atualizado às 13h58

SÃO PAULO - Os cerca de 2,5 milhões de usuários do dispositivo eletrônico "Sem parar" terão até o dia 7 de novembro de 2014 para trocar o equipamento. A troca, que começa no dia 1 de janeiro de 2012, sem custo adicional, faz parte da nova cobrança de pedágio nas rodovias de São Paulo, que trará a redução nos custos dos equipamentos, segundo a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

 

A partir de 2013, a cobrança de pedágio nas rodovias paulistas será feita com equipamentos mais modernos e mais baratos, por conta da utilização de tecnologia mais eficiente no sistema de pagamento eletrônico de pedágio. Além dos usuários, as concessionárias das rodovias paulistas também terão que se adaptar.

 

A medida é parte de uma política de transporte público do governo estadual que tem como objetivo facilitar a vida dos usuários de rodovias, baixar os custos de transporte e torná-lo mais eficiente, com mais segurança, segundo a Artesp.

 

Segundo a resolução, a cobrança eletrônica de pedágio passará a operar em rádio frequência de 915 Mhz - que inclusive dispensa o uso de bateria nos tags instalados nos veículos. O sistema atual, implantado há mais de 11 anos e comercializado como "Sem Parar" adota a frequência de 5,8 GHz e utiliza bateria, devendo ser substituído a cada quatro anos.

 

A aquisição do tag de 5,8 GHz custa atualmente R$ 66,72 por veículo de passeio e o tag de 915 MHz, mais eficiente e sem uso de bateria, custará cerca de R$ 3, podendo ser disponibilizado até mesmo gratuitamente para os usuários, segundo a Artesp. Além disso, os veículos fabricados a partir de 2014 já sairão de fábrica com o tag de 915 MHz instalados de acordo com resolução do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran)/SINIAV.

 

Sistema Ponto a Ponto

 

Segundo a Artesp, com a ampliação da nova tecnologia, além de reduzir custos de adesão e manutenção, será possível reduzir a tarifa de pedágio cobrada, principalmente para os motoristas que percorrem distâncias curtas e acabam pagando por um trecho maior da rodovia. Está em fase de implantação o Sistema Ponto a Ponto de pedagiamento eletrônico, desenvolvido na Rodovia Santos Dumont, SP-75, no trecho entre Itu (km 15) e Campinas (km 77,6), no interior de São Paulo.

 

O Sistema Ponto a Ponto, segundo a Artesp, funcionará com a instalação de pórticos com antenas ao longo da via, que fazem a leitura automática das tags 915 Mhz instaladas nos veículos, identificando o veículo e registrando a cobrança de valor proporcional ao que efetivamente for percorrido. Cada pórtico é uma espécie de praça de pedágio virtual, sem barreiras e cabines de cobrança. O motorista pagará somente pelo trecho que andar na rodovia.

Mais conteúdo sobre:
Sem Parar pedágio estacionamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.