Matheus Medeiros/Divulgação<br>
Matheus Medeiros/Divulgação<br>

Vazão cai 82% e Rio Piracicaba tem pior nível em 30 anos

Medição realizada nesta terça-feira apontou que volume de água é de 9,45 mil litros por segundo, contra média de 62,88 mil litros

Rene Moreira, Especial para O Estado

16 Setembro 2014 | 16h58

A seca fez o Rio Piracicaba atingir sua menor vazão em 30 anos para setembro, com redução de 82%. Neste mês a média é de 62,88 mil litros por segundo, contra 9,45 mil litros -quantidade apontada na manhã desta terça-feira, 16, durante a medição realizada pelo Departamento de Água e Esgoto (DAEE) de Piracicaba (SP).

O rio foi avaliado no trecho em que cruza a área urbana da cidade, próximo ao centro da cidade. A profundidade no local estava abaixo dos 80 centímetros, quase metade do esperado para esta época, quando o rio costuma ter pelo menos um metro e meio de profundidade. Com a seca, o cenário de água deu lugar a muitas pedras e vegetação.

A escassez de água tem causado a morte de peixes, como em fevereiro, quando 20 toneladas apareceram boiando. Depois disso,  outros casos foram registrados, mas em menor quantidade, o mais recente no mês passado. A Cetesb (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) tem indicado como causa das mortes a falta de oxigênio na água do rio, cada vez mais raso.

Para mudar esse cenário, especialistas dizem ser preciso algumas medidas, como o combate à sujeira da água, somado à volta da chuva. O rio hoje está com nível de poluição mais de cinco vezes acima do aceitável, por outro lado, a meteorologia prevê que talvez volte a chover na região ainda nesta semana, entretanto, o índice pluviométrico não deve ser muito alto.

Limpeza. Nesta semana um grupo de voluntários percorreu as margens do Rio Piracicaba recolhendo a sujeira. Isso se fez necessário porque com o baixo nível muito lixo começou a aparecer chamando a atenção de moradores e representando risco para a proliferação de doenças.

Nesta semana um grupo de voluntários percorreu as margens do Rio Piracicaba recolhendo a sujeira. Isso se fez necessário porque com o baixo nível muito lixo começou a aparecer chamando a atenção de moradores e representando risco para a proliferação de doenças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.