VAN ESCOLAR DRIBLA ROTINA COM WI-FI

Adolescentes de colégios paulistanos aproveitam o trânsito na viagem para casa para usar internet, jogar e até conversar com o irmão na Suíça

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

03 Março 2013 | 02h04

O trajeto de casa para a escola ficou menos entediante para cerca de 300 estudantes da zona sul da capital paulista. Desde o início do ano letivo, o tempo gasto no transporte é usado para fazer pesquisas, baixar apostilas e, claro, jogar e conversar com amigos pelas redes sociais. Tudo em tempo real, pelo sinal Wi-Fi. O acesso à internet móvel ainda é novidade no transporte privado, mas deve se tornar tendência, especialmente em cidades onde os congestionamentos tornam as viagens mais longas.

"A primeira coisa que faço quando entro na perua é pedir para o motorista liberar o sinal. Dependendo da localidade, funciona melhor que o 3G do celular", diz Petra Lieber, de 15 anos, estudante do ensino médio do Colégio Bandeirantes, um dos atendidos pelo sistema online. A adolescente diz que aproveita o serviço para checar "coisas da escola", como a agenda de aulas e o resultado das provas. "Mas também vejo as redes sociais enquanto espero no trânsito. Levo quase uma hora."

Oferecido pela Hersy's Transportes, o sinal vem de um roteador wireless portátil, conectado ao painel do carro por uma entrada USB. O equipamento pode ser comprado de operadoras de celular ou mesmo em lojas de eletrônicos, desde que esteja desbloqueado. O investimento inicial é de cerca de R$ 500 por carro e a manutenção mensal sai por R$ 70 a R$ 120, de acordo com o plano adquirido, a velocidade e a capacidade de armazenamento de dados.

A internet sem fio está disponível em 12 dos 15 carros da empresa, que atende ainda aos Colégios São Luís, Etapa e Be Living. Segundo a proprietária, Hersylaine de Almeida Alfaro, os aparelhos restantes já foram encomendados para a frota ficar totalmente conectada.

"Hoje, todo negócio precisa de um diferencial. Esse é o nosso. Por meio de uma senha, todos os nossos alunos podem usar o sinal Wi-Fi para estudar ou se divertir. Nossa ideia é reduzir o sofrimento deles no trânsito", diz ela.

"Funciona perfeitamente e ajuda principalmente na época de provas porque dá para estudar os textos no ônibus no trajeto até o colégio", afirma Giovanna Fabbri, de 16 anos, que estuda na região do Paraíso e mora em São Caetano do Sul, no ABC. "Levo cerca de 45 minutos para chegar." Já o colega Giovanni Fioranelli, de 15, navega durante a manhã para conferir as notícias de esportes e de economia. "Eu me interesso por esses dois assuntos."

A maioria dos estudantes atendidos tem sempre um smartphone à mão ou mesmo um tablet, que já compõe a lista de material escolar. "O aparelho roteia o sinal para quem está no ônibus. A única desvantagem é que a velocidade cai quando todos usam ao mesmo tempo", diz Hersys.

Entretenimento. O motorista da perua é o responsável por ceder o sinal. A partir de um adaptador, ele pode "plugar" o roteador na entrada do acendedor de cigarro do carro ou mesmo ligá-lo diretamente no rádio. Também pode colocar para funcionar os demais canais de entretenimento que distraem os alunos. Mais populares, televisores e aparelhos de DVD são usados para veicular filmes, shows ou programas de TV. E há casos ainda de peruas que oferecem a chance de gastar o tempo jogando videogame.

A diversão, porém, tem uma desvantagem: assim como os CDs de música, os CDs de jogos não resistem à buraqueira das ruas e "pulam" o tempo todo, interrompendo as disputas. Problema que os usuários wireless não enfrentam. "Consigo usar o Skype até para falar com meu irmão, que mora na Suíça", comemora Natalie Koutny, de 15 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.