'Vamos tentar desabastecer SP', diz representante dos caminhoneiros

Categoria propõe que Prefeitura retire a restrição no período da manhã

estadão.com.br,

06 Março 2012 | 15h46

SÃO PAULO - O vice-presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros Autônomos, Claudinei Pelegrini, disse em entrevista a rádio Estadão ESPN nesta terça-feira, 6, que a paralisação da categoria poderá ser suspensa caso a Prefeitura aceite retirar a restrição do período da manhã.

A greve começou ontem, em protesto à restrição dos caminhões pela Marginal do Tietê, das 5h às 9h e das 17h às 22h, de segunda a sexta-feira e, aos sábados, das 10h às 14h.

"Estamos querendo e propondo que se retire a restrição da manhã e que nós voltemos para a mesa de negociação e que façamos uma reunião quinzenal, mensal nos próximos 120 dias e vamos achar um novo modelo. Nós precisamos achar um novo modelo e ir testando isso", afirmou.

Segundo Pelegrini, se o prefeito Gilberto Kassab não abrir a mesa de negociação São Paulo ficará desabastecido. "Já que nós estamos protestando contra uma restrição nós não quisemos também restringir as rodovias fazendo piquete ou fazendo qualquer coisa. Nós simplesmente cruzamos os braços e vamos tentar desabastecer São Paulo". Até o momento, pelo menos 52 postos da cidade estavam sem combustíveis.

Prefeitura. Em nota divulgada hoje, a Secretaria Municipal dos Transportes informou que "repudia veementemente o movimento de greve". De acordo com a pasta, os sindicatos envolvidos "sempre encontraram um canal aberto" com a secretaria "e há praticamente quatro meses estão sendo avisados que as novas medidas entrariam em vigor". No período, segundo a Prefeitura, foram feitas "reuniões semanais com os representantes de todas as categorias envolvidas".

Mais conteúdo sobre:
caminhoneiro São Paulo combustível

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.