TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

'Vamos desativar algumas ciclovias que só incomodam a população', diz Covas

Em entrevista à rádio Eldorado, prefeito de SP também diz que zeladoria urbana "não está a contento"

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2018 | 10h41

O novo prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse em entrevista à Rádio Eldorado na manhã desta sexta-feira, 27, que vai desativar ciclovias que não têm uso e admitiu que o serviço de zeladoria na capital paulista "não está a contento". Covas afirmou ter encomendado um estudo ao secretário municipal dos Transportes, João Octaviano, para mapear o uso das ciclovias na cidade.

"Há a necessidade de transformação de algumas ciclofaixas em ciclovias, de implantar outras para fazer interligação no sistema e de desativar algumas que não têm nenhum uso", disse o prefeito. O levantamento foi iniciado pelo ex-secretário da pasta, Sérgio Avelleda, hoje chefe de gabinete da Prefeitura, e será concluído em meados de junho.

"Vamos discutir com a população onde vamos implantar novas ciclovias para dar racionalidade ao sistema, ligando algumas que não têm ligação hoje. Vamos poder desativar algumas que só incomodam a população", afirmou o tucano. 

Dez dias atrás, Covas disse que as ciclovias foram lançadas de forma aleatória na cidade como "orégano em pizza". A declaração foi dada em entrevista à Rádio CBN. Em resposta, ciclistas e pedestres divulgaram uma carta aberta ao prefeito, destacando diretrizes nacionais e municipais sobre o papel da rede cicloviária no desenvolvimento urbano.

Em relação à zeladoria urbana, uma das principais bandeiras da gestão do ex-prefeito João Doria (PSDB), Covas admitiu que o serviço "não está a contento". Ao assumir o cargo, Covas teve a primeira agenda pública, no dia 7 de abril, com uma atividade de zeladoria em Cidade Tiradentes, no extremo leste da capital.

+++ Sob Doria, serviços de manutenção de ruas e calçadas em SP têm queda

"(A zeladoria) está melhor do que estava quando a gente assumiu, mas não está a contento. Ainda temos problemas de mato alto e buraco na rua", destacou. "Ainda não está a contento, mas estamos no caminho certo". 

No primeiro ano da gestão Doria, entre janeiro e agosto de 2017, oito de nove serviços de zeladoria - como reparos de calçadas, varrição de rua e limpeza de pichações - feitos pela Prefeitura de São Paulo tiveram queda na comparação com o mesmo período em 2016. O pior desempenho foi na extensão de guias e sarjetas, com queda de 55,8% - foram 63,2 mil metros de ampliação no ano passado, ante 143,1 mil em 2016.  

Ônibus

Covas defendeu ainda o edital para concessão das linhas de ônibus publicado pela Prefeitura nesta terça-feira, 24, que cortará 146 linhas de ônibus da capital.  A nova organização do sistema retira a ligação direta dos 13 principais terminais de ônibus da capital paulista com 41 distritos.

"Esse novo edital prevê a racionalização com um novo desenho de várias linhas da cidade, criando linhas que são bairro-bairro e vão poder circular com mais agilidade. Vamos precisar de menos ônibus. Temos várias linhas que se sobrepõem e passam pela mesmas ruas", disse o prefeito.

+++ Principais terminais de ônibus de SP perderão ligação direta com 41 distritos

Segundo o prefeito, as alterações serão feitas somente após a assinatura do edital - prevista para o segundo semestre de 2019 - e todas as mudanças serão comunicadas à população. A previsão da Prefeitura é de ampliar ainda em 9% a quantidade de ruas pelas quais os ônibus passam. 

"Vamos tornar o ônibus mais ágil e fazer com que o trabalhador leve menos tempo do trabalho para casa", afirmou ele. Para Covas, a grande novidade vai ser a avaliação do usuário de ônibus, que poderá opinar sobre a qualidade das linhas. E essa opinião poderá até mesmo influenciar no valor do subsídio repassado às empresas. "Se o serviço não for prestado a contento, temos como diminuir o repasse", declarou.

Muro da USP

Em relação aos três casos de vandalismo em menos de uma semana ocorridos no muro da raia olímpica da Universidade de São Paulo (USP), o prefeito lamentou os atos, destacou que não há recursos públicos do Município na obra e minimizou problemas com o material dos painéis.  O muro foi parcialmente inaugurado há menos de um mês. 

+++ Por que os vidros da Raia Olímpica da USP quebram?

"Vamos ter a proibição de qualquer prédio ter vidro porque a gente não pode conviver com vidro? Não é problema em relação ao material. Vamos aumentar a vigilância", disse. 

De acordo com o prefeito, viaturas da Guarda Civil Metropolitana (GCM) fazem o monitoramento no local. "Tivemos 18 câmeras instaladas que ainda não foram integradas, mas serão em breve, ao sistema de monitoramento (da Prefeitura)", afirmou. 

Doria

Questionado sobre a relação com Doria, Covas disse já ter procurado o ex-prefeito para conversar e pedir conselhos sobre questões da gestão municipal. Para ele, Doria "tomou a decisão certa" ao renunciar ao cargo de prefeito. Covas afirmou ainda que "a população vai julgar esta atitude dele nas eleições de outubro". 

A primeira viagem de Bruno Covas acontecerá em maio. O prefeito vai para Nova Iorque, nos Estados Unidos. Durante dois dias, ele terá reuniões com investidores internacionais para apresentar o plano de desestatização da Prefeitura, a principal bandeira da gestão Doria-Covas.

"Vamos continuar nessa linha de buscar investimentos internacionais. Não apenas empresas privadas, mas internacionais também podem participar (do plano de desestatização)", disse Covas.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.