Valet vai precisar anotar quilometragem em SP

Medida, publicada nesta terça no 'Diário Oficial da Cidade', tem 90 dias para ser regulamentada e ainda proíbe manobrista de 'sair' com o veículo

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2013 | 10h01

SÃO PAULO - Os valets da cidade de São Paulo vão precisar anotar a quilometragem do carro e as condições do veículo no recibo que entregarem aos clientes assim que assumirem o automóvel. É o que estabelece um projeto de lei promulgado pelo prefeito Fernando Haddad (PT) e publicado nesta terça-feira, 5, no Diário Oficial da Cidade.

A medida tem 90 dias para ser regulamentada pelo governo municipal. O texto da legislação prevê que o valet deverá anotar "o nome do modelo e da marca, a placa do automóvel, anotação de eventual avaria e da quilometragem exibida no odômetro no momento da entrega do veículo".

Outra novidade é que passam a ser legalmente proibidas as "saidinhas" com os carros dos clientes. O projeto aprovado por Haddad indica que "é vedado ao preposto da empresa circular com o veículo, salvo entre o ponto de sua coleta e o estacionamento, assim como permitir que outro o faça, sob qualquer circunstância".

O material altera parte da Lei 13.763, de 19 de janeiro de 2004, que normatizou o serviço de valet na capital paulista.

Não está claro no projeto de lei sancionado quais vão ser as penas para quem desrespeitar as novas regras.

Mais conteúdo sobre:
valetFernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.