Vaivém presidencial

A conquista da independência financeira da Academia Brasileira de Letras começou nos anos 60. O imortal Austregésilo de Athayde conseguiu que o presidente Juscelino Kubitschek doasse à ABL o prédio vizinho à sua sede. A ideia era construir um espigão. O aluguel das salas garantiria uma renda magnífica à ABL. Mas o sucessor de JK, Jânio Quadros, revogou a doação.

, O Estadao de S.Paulo

14 Março 2010 | 00h00

Depois do golpe militar, Austregésilo procurou o general Castelo Branco, que doou o prédio, mas não permitiu sua demolição. Austregésilo esperou e conseguiu que o presidente Médici autorizasse a construção do espigão. Faltava dinheiro para bancar a obra. O presidente Geisel deu o aval para um empréstimo na Caixa Econômica, feito em nome da Ecisa Engenharia, que explorou os aluguéis por 20 anos. Em 1999, a ABL tomou posse do seu patrimônio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.