Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Vai-Vai emociona com enredo empolgante sobre Elis Regina

A cantora Maria Rita saiu na comissão de frente, representando a mãe

Fabiana Cambricoli, Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2015 | 06h56

Já passava das 5h15 quando a Vai-Vai entrou na avenida, mas a animação foi tanta que o público parecia pular como se tivesse recém chegado ao Anhembi. O samba-enredo dedicado a Elis Regina, um dos ícones da música brasileira, fez referência a canções como Arrastão, Romaria e Maria Maria, sucessos na voz da gaúcha.

O carro abre-alas tinha 90 metros de comprimento e integrantes da agremiação tiveram dificuldades de locomovê-lo no início do desfile, possivelmente por causa de seu tamanho e peso. Segundo o carnavalesco André Marins, o carro alegórico é o maior que já passou pelo sambódromo . "As gigantes estruturas de homens montados em cavalos mostram a cavalgada dos pampas, representando a vinda desse furacão chamado Elis do Rio Grande do Sul para o Brasil e para o mundo”. Apesar dos problemas, e escola conseguiu entrar na avenida e arrepiou a plateia ao colocar Didi Gomes para cantar – ela é conhecida por ter a voz muito parecida com a de Elis. O refrão que trazia trechos de Maria, Maria era cantado por praticamente todos os presentes no Anhembi.

Um dos destaques da escola, a cantora Maria Rita saiu na comissão de frente, representando a mãe. Ao final da apresentação, passou mal e teve de ser atendida na ambulância instalada na dispersão. A emoção fez com que a pressão de Maria Rita caísse. Minutos depois, já estava recuperada. Para a cantora, o desfile da Vai-Vai foi uma das maiores homenagem que Elis já recebeu. “É muito difícil colocar em palavras o que eu senti. Tem mais de 30 anos que ela se foi e ainda tem esse reconhecimento do povo, da escola, de tanta coisa”, disse ela.

Além de fazer menção a sucessos de Elis, os carros alegóricos da Vai-Vai representaram as várias fases da carreira da cantora e as parcerias com outros nomes importantes da música brasileira. Na segunda alegoria, uma escultura gigante de Jair Rodrigues lembrou um dos mais famosos companheiros da Pimentinha. No carro, desfilaram os filhos de Rodrigues, Luciana Mello e Jair Oliveira.

Para o presidente da escola, Neguitão, a Vai-vai conseguiu contagiar o público por causa da imensa popularidade da homenageada. "Sabíamos que o samba ia emocionar, mas jurado não se baseia na comoção do público. Pensando nisso, nós conseguimos cumprir todos os requisitos não só emocionalmente, mas também tecnicamente", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
CarnavalSão PauloVai-Vai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.