Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Vai-Vai e Gaviões da Fiel incendeiam o sambódromo no 2º dia de desfiles de SP

Homenagem à cantora Elis Regina e desfile detalhista sobre a história do baralho empolgaram o público; Mocidade também foi destaque com homenagem luxuosa à atriz Marília Pêra

O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2015 | 09h17

SÃO PAULO - As escolas Vai-Vai e Gaviões da Fiel conseguiram empolgar o público no sambódromo do Anhembi, na segunda noite de desfiles do Grupo Especial de São Paulo. Com apostas bem distintas, as escolas levantaram o público nas arquibancadas.

A Gaviões da Fiel retratou a história do baralho, com o samba enredo “No jogo enigmático das cartas, desvendem os mistérios e façam suas apostas, pois a sorte está lançada”. Em arquibancadas lotadas, o público ficou de pé e balançou bandeiras do Corinthians durante toda a passagem da agremiação. 

Já a Vai-Vai entrou na avenida com o dia quase amanhecendo, mas a animação foi tanta que o público parecia pular como se tivesse recém-chegado ao Anhembi. O samba-enredo dedicado a Elis Regina, um dos ícones da música brasileira, fez referência a canções como Arrastão, Romaria e Maria Maria, sucessos na voz da gaúcha.

Com homenagem luxuosa à atriz Marília Pêra, a Mocidade também foi destaque no segundo dia de desfiles. Vencedora dos últimos três carnavais, a escola abusou do dourado e do vinho, em especial no início do desfile. O abre-alas trouxe referências a deuses da mitologia clássica, simbolizando as inspirações em diversos campos artísticos da homenageada.

Abertura. De volta ao Grupo Especial, a Unidos de Vila Maria foi responsável por abrir o desfile deste sábado - e mostrou que não pretende voltar para o Acesso tão cedo. A escola trouxe para a avenida a importância do diamante para a humanidade, com um desfile rico em detalhes, didático e muito criativo. Para isso, abusou de cores vivas, papel picado e acrobacias, além de apresentar alas coreografadas e muita encenação. 

Já a Império de Casa Verde se dedicou ao mundo dos sonhos. Na comissão de frente, as histórias infantis surgiram com Branca de Neve, Peter Pan, Alladin e outros personagens da Disney. Em seguida, alas trouxeram personagens de Monteiro Lobato, como Emília e Visconde de Sabugosa. Destacaram-se também as várias alas coreografadas da escola.

A agremiação terminou seu desfile um minuto antes do tempo máximo permitido - sorte que a Acadêmicos do Tatuapé não teve. A escola da zona leste estourou o tempo em um minuto e deve perder pontos. O tema apresentado na avenida foi o ouro, o que levou muita ostentação para o Anhembi.

Fechando as apresentações do Grupo Especial, a X-9 Paulistana foi a única escola a trazer um tema atual: a crise hídrica em São Paulo. Com o samba-enredo “Sambado na chuva, num pé d’água ou na garoa. Sou a X-9 numa boa”, a escola exaltou a chuva que assolou o seu desfile no ano anterior. 

(Reportagem de Felipe Resk, Fabiana Cambricoli, Mônica Reolom e Maria Cristina da Silva)

Mais conteúdo sobre:
carnaval

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.