Vá aos Correios e adote o pedido de uma criança no Natal

Cartas ficam à disposição de quem quiser realizar sonhos e presentes devem ser entregues até dia 21

Marici Capitelli, do Jornal da Tarde,

17 de dezembro de 2007 | 09h26

Um fichário da Hello Kitty bem grande, rosa e cheio de folhas desenhadas com o personagem da gatinha. Esse é o sonho de Natal de Ana Caroline, de 11 anos. Ela gosta tanto da data que driblou as dificuldades econômicas e fez um enfeite para substituir a árvore natalina. De uma revista, recortou letras e formou as palavras "Feliz Natal". Ao lado, colou o desenho de um Papai Noel. O enfeite está pregado no quarto abafado onde ela vive com a mãe, Ronilza Alves Passos, de 36 anos, e o irmão, Rodrigo, de 7 anos, na Vila Cisper, na zona leste de São Paulo. Na carta que escreveu ao Papai Noel e que foi entregue nos Correios, a menina contou porque um fichário é tão importante em sua vida. Com a letra caprichada, ela escreveu: "Eu não agüento mais a minha bolsa, ela é muito pesada e isso dói as minhas costas. Minha bolsa já está rasgada. E também se eu ganhar o fichário é melhor que a minha mochila, porque tem alcinha e aquela alcinha é uma maravilha, porque dá para pendurar." Enquanto escrevia sobre a importância de ter um fichário desse tipo, o irmão já pedia um presente bem mais caro ao bom velhinho: "Eu adoraria ganhar um Playstation. Eu adoro videogame, mas nunca tive a chance de ter um, porque é muito caro." Rodrigo, que acredita totalmente em Papai Noel, tem certeza de que será atendido. "Ele vai vir aqui em casa, sim." Um dia comum Os dois terão de contar com a sorte para ganhar os presentes, já que a mãe, Ronilza, não dá falsas esperanças aos filhos. "Não posso comprar nenhum brinquedo e nosso Natal vai ser um dia qualquer, como todos os outros. Vamos ficar em casa e comer o que tiver." A família vive com o salário que Ronilza ganha tomando conta de duas crianças, com os programas de transferência de renda do governo e R$ 190 de pensão alimentícia do ex-marido e pai das crianças. O valor total não ultrapassa R$ 500. Pagam R$ 150 de aluguel no quarto, que não passa de um salão. "Com a nossa renda, não dá para alugar uma casa mesmo." Doente, com síndrome de pânico, Ronilza conta que também tem seu sonho de Natal. Não é nada para ela usar ou para a casa. Quer que o filho Rodrigo consiga atendimento psicológico. O menino tem apresentado graves problemas de comportamento na escola. "As notas são excelentes, mas ele é péssimo no relacionamento com as pessoas", conta. A agressividade é tanta que Ronilza teme pelo futuro do garoto. Ela contou que o filho chegou a espancar outras crianças. "É muito esquisito, ele só fala em matar. Tenho muito medo do que possa acontecer no futuro." Mas o futuro é um pensamento ainda muito distante para as duas crianças. O que elas querem mesmo, de imediato, é a visita do Papai Noel no próximo dia 25. "Se teu tiver o meu fichário, vai ser a minha maior alegria", diz Caroline. Quem quiser adotar alguma das cartinhas dos Correios deve ligar para 0800 570 0100 e saber qual a agência mais próxima onde estão os pedidos. A entrega do brinquedo deve ser feita até o dia 21 de dezembro.

Tudo o que sabemos sobre:
NatalCorreios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.