Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Usuários têm problemas na recarga de bilhete único

Na maioria dos postos, sistema ficou indisponível; nas estações do Metrô, houve a formação de filas de espera

Naiana Oscar e Renato Machado, Jornal da Tarde e O Estado de S. Paulo,

08 de outubro de 2009 | 09h17

Uma série de falhas no sistema provocou ao longo dos últimos dias problemas na recarga do bilhete único em todos os 6 mil postos da cidade de São Paulo. O pior dia foi ontem, quando foram registradas panes frequentes que deixaram lento o serviço, chegando a interrompê-lo em diversos momentos. Estudantes e portadores de vale-transporte dizem não conseguir recarregar seus cartões desde segunda-feira. A São Paulo Transportes (SPTrans) afirma que as operações devem ser normalizadas hoje.

Na maioria dos postos de recarga, o sistema da SPtrans ficou completamente indisponível. Os 60 pontos localizados dentro das estações de metrô não chegaram a ficar totalmente fora do ar, mas, como a rede estava lenta, os usuários também foram prejudicados. Em estações de metrô, a recarga é feita pela empresa Planetek. "Temos o sistema, mas ele cai constantemente e leva muito tempo para carregar", disse um representante da empresa.

Nesses postos o sistema chegou a levar até dez minutos para uma única recarga. A consequência é que se formaram grandes filas para a recarga do bilhete único e também para a compra de bilhetes do Metrô. "Vim para a fila (da estação) do metrô porque a outra não anda. Fazia 20 minutos que estava ali e não andei dois metros e ninguém veio explicar o que está acontecendo", diz o motorista Paulo César Gonçalves.

As panes também interromperam a recarga dos cartões de estudante. Inicialmente, a SPTrans negou a paralisação desse serviço. No entanto, no posto localizado na Estação Barra Funda, havia um aviso escrito à mão que dizia "sem recarga de cartões de estudantes". Após ter conhecimento desse fato, a empresa enviou uma nova nota afirmando que "devido à lentidão, alguns postos entenderam que o sistema estava fora do ar, o que não ocorreu, tanto que os avisos se referiam apenas a algum tipo de serviço (estudante, vale-transporte)".

"Desde segunda que eu venho aqui e não consigo recarregar meu cartão. Estou pagando todo dia R$ 5,10 para ir para a faculdade, o dobro do que costumo gastar", disse a estudante Tainã Carvalho, de 19 anos.

A SPTrans afirma que uma oscilação na rede de recarga causou os transtornos. A empresa não confirma e tampouco nega que as interrupções e lentidões no serviço não tenham acontecido somente ontem. "A SPTrans informa que ontem ocorreu uma oscilação na rede de recarga, o que causou lentidão na operação", afirmou, por meio de nota. Fontes ligadas à operação do bilhete único garantem que o problema começou no fim de semana e teria ocorrido porque o sistema de informática da empresa foi atingido por um vírus.

Tudo o que sabemos sobre:
transportesbilhete únicoSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.