Usuários do Metrô fazem 'apitaço' por melhorias nas linhas

Protesto reuniu cerca de dez pessoas que utilizam as redes sociais para acompanhar a situação do transporte

Marcelo Osakabe, O Estado de S. Paulo

24 Março 2014 | 21h12

SÃO PAULO - Passageiros do Metrô de São Paulo que utilizam as redes sociais para acompanhar a situação do transporte fizeram nesta segunda-feira, 24, um "apitaço" por melhorias nas linhas. O protesto aconteceu nas catracas da Estação Sé do Metrô, por volta das 19 horas, e durou cerca de dez minutos. O protesto tinha cerca de dez integrantes e foi observado de perto pela segurança do Metrô, que foi avisada com antecedência, e pela polícia.

Segundo um dos organizadores da manifestação, Adilson Virso, novas manifestações como esta devem acontecer. "A ideia surgiu na sexta-feira, 21, depois de mais uma falha que causou muitas filas. Não conseguimos chamar muita gente por causa do final de semana, mas vamos fazer outras", afirma. Virso comanda o perfil UsuariosMetroSP (@usuariosmetrosp), que tem mais de 15 mil seguidores. "A gente comenta todo dia a situação no Twitter e muita gente acompanha. Agora queremos sair das redes."

Panes. Nesta segunda-feira, 24, uma reportagem do Estado revelou aumento no número de falhas graves no Metrô de São Paulo nos últimos cinco anos da operação do sistema. Se em 2009 a média era de uma pane com grande transtorno aos passageiros a cada seis dias, em 2013 esse intervalo baixou para três dias - duas por semana.

As estatísticas internas da empresa, coletadas e divulgadas pelo Sindicato dos Metroviários, indicam que, em todo o ano passado, o Metrô registrou 113 incidentes notáveis - termo técnico para designar panes que duram, no mínimo, seis minutos até serem resolvidas. Ao longo de 2009, houve menos que a metade desse total: 55. Ou seja, o aumento foi de 105%.

Mais conteúdo sobre:
Metrô apitaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.