Usuário ganha salvo-conduto

Em abril do ano passado, o morador de rua Carlos Eduardo de Albuquerque Maranhão, de 41 anos, teve garantido pela Justiça o direito de ir, vir e permanecer em via pública, sem ser importunado pela PM, "salvo em caso de flagrante delito". Dependente químico, ele relatou que havia sido constrangido pela polícia na cracolândia. Em julho, a Justiça proibiu a PM de agir de forma vexatória ou desrespeitosa com usuários de drogas da região.

O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2013 | 02h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.