Usuário de bilhete mensal ganha menos de 2 salários

65% dos passageiros do novo cartão que começa a funcionar amanhã têm renda de até R$ 1.147 mensais

Caio do Valle, O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2013 | 02h03

Apesar do preço relativamente alto (R$ 230 para o cartão integrado), a grande maioria dos cadastrados no Bilhete Único Mensal ganha menos de dois salários mínimos. Dados da São Paulo Transporte (SPTrans) mostram que 65% dos usuários têm renda individual de até R$ 1.147 mensais. O novo cartão começa a funcionar amanhã para quem se cadastrou até a semana passada.

Na hora da inscrição no site da SPTrans, os interessados podem preencher um questionário socioeconômico. O Estado teve acesso ao perfil formado pelas respostas a essas perguntas. Ao todo, 125.080 pessoas escreveram no formulário virtual entre abril, quando o cadastro foi aberto, e a última segunda-feira. Já o número de cadastrados até as 9h30 de ontem era de 153.267 passageiros.

A maior parte dos usuários do Bilhete Único Mensal (57%) é do sexo feminino. Os jovens de até 24 anos representam 46% do total de inscritos para obter o benefício (outros 38% têm entre 25 e 40) e 38,3% das pessoas que utilizarão o cartão trabalham e estudam. As que só trabalham somam 29,5% e as que estão apenas estudando chegam a um patamar próximo desse, de 29,4%.

Um terço dos cadastrados (33,3%) recebe até um salário mínimo. Isso significa dizer que o Bilhete Único Mensal integrado (o único que permitirá viagens de ônibus, metrô e trens por um preço fixo por mês), ao custo de R$ 230, corresponderá a 34% de sua renda mensal. Na outra ponta, quem ganha acima de R$ 9.263 (ou quase 14 salários mínimos) representa 0,5% de todos os interessados no cartão, segundo as estatísticas da SPTrans.

Mais conteúdo sobre:
bilhete mensal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.