Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

USP limita circulação de ciclistas esportivos em câmpus

Interessados deverão ser cadastrados e se restringir a pedalar pela Cidade Universitária até três vezes por semana

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2019 | 22h53

SÃO PAULO - A Universidade de São Paulo (USP) restringiu a circulação de ciclistas esportivos dentro da Cidade Universitária, na zona oeste de São Paulo. Eles só poderão pedalar na região durante três dias da semana, por apenas duas horas diárias. A restrição, segundo a USP, não atinge os ciclistas que usam a bicicleta como meio de locomoção dentro do câmpus.

As mudanças foram publicadas em uma portaria da Prefeitura do Câmpus da Capital. O texto traz um manual para a prática e indica que o ciclista esportivo deverá fazer um cadastro no site da Prefeitura do Câmpus para obter um certificado. Essa identificação deverá ser impressa e colada na bicicleta e no capacete. 

Mesmo com o cadastro regular, o ciclista terá de cumprir horários mais rígidos. Só poderá circular terças, quintas e sábados, das 4h30 às 6h30. Em feriados, a prática fica proibida. Não será permitida a realização de treinos em grupos com mais de quatro ciclistas e a circulação pela Rua do Matão, via íngreme, muito usada para treino de subida, também continuou vedada. 

O manual estabelece ainda que “não será permitido realizar a prática do ciclismo esportivo de maneira agressiva”. Os ciclistas que descumprirem as regras poderão ser abordados pela Superintendência de Prevenção e Proteção Universitária e ficarão sujeitos a perder o certificado por um período de até três anos. 

Ocorrências

A Prefeitura do Câmpus justifica a medida citando denúncias recebidas sobre o comportamento dos ciclistas. De acordo com a Superintendência de Prevenção e Proteção Universitária, no ano passado foram 13 ocorrências no câmpus envolvendo a prática de ciclismo, o que inclui quedas, colisões, atropelamentos e discussões. O número se refere a situações registradas pela Guarda Universitária.

Neste ano, houve um caso de agressão e a Ouvidoria recebeu 29 reclamações contra os ciclistas. A USP prevê campanhas educativas no câmpus sobre o respeito às regras. Circulam todos os dias pela Cidade Universitária aproximadamente 100 mil pessoas. 

Não é a primeira vez que a USP restringe a circulação de ciclistas esportivos no câmpus. Em 2005, a universidade chegou a proibir o esporte dentro do câmpus nos dias de semana. A medida recebeu uma série de críticas, principalmente depois da morte de dois ciclistas atropelados na Rodovia dos Bandeirantes, e as bicicletas voltaram ao câmpus. 

Em 2010, a universidade voltou a tomar medidas para limitar o uso do espaço por bicicletas, inclusive com a exigência de uma carteirinha pelos atletas. Aos poucos, as medidas se afrouxaram. Em 2017, uma resolução assinada pelo então reitor Marco Antônio Zago havia fixado a necessidade de cadastro, mas os horários para circulação não estavam claros. 

Crítica

Para o empresário Caetano Barreira, de 42 anos, que usa as vias da USP para treino ciclístico, a medida “inviabiliza totalmente a prática”. “Quem fala em treinar três vezes por semana não tem noção (da necessidade de treinos de um atleta).” A notícia, diz, foi recebida com críticas pelos grupos de ciclistas esportivos, que encontram poucos espaços seguros para a prática na capital. “As pessoas têm de ser capazes de conviver e a universidade está limitando a convivência. É discriminatório.” 

AS MUDANÇAS

Cadastro

Ciclistas esportivos terão de fazer um cadastro no site da Prefeitura do Câmpus.

Horários permitidos

Terças, quintas e sábados, das 4h30 às 6h30.

Grupos

Ficam proibidos treinos com grupos de mais de quatro pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.