USP expulsa seis alunos por ocupação

Eles viviam desde o ano passado em prédio invadido do Coseas; reitor usa como base lei da época do regime militar

PAULO SALDAÑA, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2011 | 03h02

Seis estudantes foram expulsos da Universidade de São Paulo (USP) como punição pela ocupação de um prédio da Coordenadoria de Assistência Social (Coseas) iniciada em março de 2010. A decisão foi publicada ontem no Diário Oficial dos Estado, em despacho do reitor João Grandino Rodas.

O processo foi aberto para apontar responsáveis pelos prejuízos referentes à ocupação. Segundo a Reitoria, a ação dos alunos resultou no extravio de milhares de documentos e de aparelhos eletrônicos, como 17 computadores completos e duas impressoras, entre outros equipamentos. A principal reivindicação do movimento, intitulado Moradia Retomada, é o aumento de vagas no Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo (Crusp). A sala do Bloco G do Coseas continua ocupada pelos alunos, que a transformaram em moradia.

Foram expulsos Aline Dias Camoles e Bruno Belém, da Escola de Comunicação e Artes (ECA), e Amanda Freire de Souza, Jéssica de Abreu Trinca, Marcus Padraic Dunne e Yves de Carvalho Souzedo, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Ao todo, eram 13 processados. Cinco foram inocentados e dois dos punidos já não estudam mais na universidade.

A punição foi decidida por uma comissão formada por três professores e o reitor acatou o relatório - que tem como fundamento o regimento disciplinar de 1972, época da ditadura militar. A decisão ainda teve respaldo, segundo a Reitoria, da maioria dos dirigentes das unidades.

Rodas entende que a relação com os alunos não fica prejudicada. "Administradores públicos devem cumprir uma série de obrigações legais, sob pena de responsabilidade. Assim, a questão de 'ambiente' acaba por ser irrelevante."

O diretor do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Thiago Aguiar, considerou a punição absurda. "Não é de hoje que a USP tem punições a todos que fazem ou fizeram algum tipo de mobilização crítica. Mas agora é mais grave, foram expulsões."

Aguiar critica a falta de critérios, uma vez que cerca de 50 alunos participaram da ocupação. "O expediente das punições é obscuro. A Reitoria seleciona quem quer punir e faz isso."

O presidente do Sindicatos dos Servidores da USP (Sintusp), Magno Carvalho, também condenou a decisão. "O reitor esperou o fim das aulas para divulgar isso. Fez em um momento em que se vai ter dificuldade de reação, a maioria das aulas acabou." O reitor negou que tenha aguardado o fim das aulas. "Não há dia apropriado para se tomar conhecimento de decisões desagradáveis", disse. Alunos podem recorrer à Procuradoria da USP. Os expulsos não foram encontrados para comentar a decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.