Filipe Araújo/Estadão
Filipe Araújo/Estadão

Urbanista afirma que alternativa é levar emprego à periferia

Também prevista no Plano Diretor, opção ainda não tem incentivos fiscais definidos; por enquanto, só existem em bairros da zona leste

Adriana Ferraz , O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2015 | 06h00

SÃO PAULO - Diante da dificuldade de entregar moradias populares no centro, a opção é levar os empregos à periferia, como também prevê o Plano Diretor. "O problema é que nem uma coisa nem outra tem sido feita. Os incentivos fiscais previstos para as empresas que aceitarem se mudar do centro ainda não foram definidos", diz a urbanista Lucila Lacreta, do Movimento Defenda São Paulo.

Por enquanto, só empresas que investirem em alguns dos bairros da zona leste, como Itaquera, dispõem de incentivos fiscais da Prefeitura. Para estender o benefício às regiões citadas no plano - Avenidas Cupecê, na zona sul, Jacu-Pêssego, na zona leste, e Raimundo Pereira Magalhães, na zona noroeste -, a gestão Fernando Haddad (PT) deve lançar um novo edital ou mesmo aprovar uma nova lei na Câmara Municipal.

"É preciso mesmo aproximar emprego de moradia. Para isso, não basta investir em moradia ou convencer as empresas a se mudar. Temos é de melhorar a mobilidade de São Paulo."

Mais conteúdo sobre:
Fernando Haddad Moradia Plano Diretor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.