Universitária angolana é morta no Brás

Aluna de pós-graduação foi assassinada por brasileiro que chamou africanos de 'macacos' durante briga e ainda baleou grávida

FABIANO NUNES , JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2012 | 03h04

A angolana Zumira de Souza Borges Cardoso, de 26 anos, estudante de pós-graduação em Comércio Exterior, foi morta com um tiro na cabeça, na noite de anteontem, na frente de um bar no Brás, na região central de São Paulo. Outros três amigos dela, também angolanos, foram feridos - entre eles uma grávida de oito meses. O agressor, não identificado, teria se envolvido em uma briga com eles minutos antes e xingado o grupo com termos como "macacos". O Consulado da Angola em São Paulo acompanha o caso.

Zumira morava na capital havia cinco anos. "Ela veio para estudar, formou-se em Engenharia e voltou para Angola. Recentemente, ela voltou para terminar a pós-graduação", disse o primo da vítima, Carlos Antônio, de 34 anos. Ela morava em Ermelino Matarazzo, na zona leste, e estava ontem no bar comemorando o aniversário do amigo Renovaldo Manoel Capenda, de 32, um dos feridos. "Ela costumava comprar roupas e enviar para a família em Luanda, na capital do país. Era uma forma de ajudá-los", contou o primo.

A mulher estava com passagem comprada para voltar a Angola em julho. De acordo com testemunhas, houve uma discussão entre brasileiros e angolanos no bar da Rua Cavalheiro, no número 80. Cerca de 40 pessoas estavam no local. "Em determinado momento, o agressor chamou o grupo de 'macacos que vieram lá da Angola'. Havia muitos angolanos no local. Todos ficaram ofendidos, mas ninguém estava armado", disse o vendedor Antônio José Miguel, de 34 anos, também angolano.

Violência. A Polícia Militar chegou a ir ao local por causa da briga, mas ninguém foi detido. Após a discussão, os brasileiros foram embora. Cerca de 20 minutos depois, um deles voltou, em um Golf prata, desceu do veículo e atirou contra o grupo de angolanos. Zumira foi atingida e morreu no local. Grávida de 8 meses, Celina Bento Mendonça, de 34 anos, acabou ferida por pelo menos dois tiros, um deles na barriga, mas não perdeu a criança. Gaspar Armando Mateus, de 27, namorado de Zumira, foi baleado na perna. E o aniversariante, Renovaldo, também foi atingido na perna. Gaspar e Renovaldo foram medicados e liberados. Celina está internada no Hospital João XXIII, mas está fora de risco. A delegada do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), Jamila Jorge Ferrari, ouviu ontem o namorado da vítima. "Eles não conseguiram identificar o agressor. Mas agora vamos pegar imagens de câmeras para tentar localizá-lo."

O vice-cônsul de Angola, Belmiro dos Prazeres Guimarães, disse que está acompanhando as investigações. "Queremos colaborar para esclarecer esse crime e levar o responsável à Justiça." De acordo com ele, cerca de três mil angolanos moram na capital. Parte está concentrada no Brás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.