Felipe Rau|Estadão
Felipe Rau|Estadão

Unidos do Peruche comemora centenário do samba e prepara protesto

Agremiação incluiu em sua apresentação uma ala teatral que mostrará os sambistas sendo perseguidos pela polícia

Luiz Fernando Toledo, Paula Felix e Rafael Italiani, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2016 | 23h06

Com as arquibancadas ainda pela metade, o Sambódromo do Anhembi recebe o primeiro bloco do segundo dia de desfiles do grupo especial do Carnaval, o Unidos do Peruche. O grupo da Freguesia do Ó, zona norte de São Paulo, comemora o centenário do samba e vai usar seu tempo para contar a história do mais tradicional ritmo brasileiro. 

O desfile terá, em um dos setores, tom de protesto. A agremiação incluiu em sua apresentação uma ala teatral que mostrará os sambistas sendo perseguidos pela polícia. 

A rainha de bateria da agremiação, Stephanie Cristine, de 17 anos, nasceu na agremiação e também diz já ter integrado manifestações.. Recentemente, participou dos protestos contra a reorganização escolar na rede do  Estado de São Paulo indo para a Avenida Brigadeiro Faria Lima, em Pinheiros, no dia que estudantes secundaristas deram um nó no trânsito da cidade ocupando cruzamentos com carteiras e livros. 

 "O recalque da ditadura bate na minha geração e volta. Não ocupei escolas mas fui para a rua protestar." Ela conta que fugiu de bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo durante as manifestações. Estudante do terceiro ano da Escola Estadual Professor Joaquim Leme de Prado, ela quer estudar Artes Cênicas. O enredo da escola conta a história do samba que também é a de Stephanye. "Essa bateria é minha."

Entre os integrantes da escola também está a "musa" dos protestos que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), Juliana Isen. Ela promete desfilar usando um tapa-sexo com o texto "Fora Dilma".

Minutos antes da Unidos do Peruche entrar em cena, foi a vez do bloco Afoxé, introdução da noite, animar os foliões. O grupo passou pelo sambódromo por volta das 21h e esquentou a plateia que ainda enfrentava chuva. As religiões de matriz africana foram o tema da vez, com homenagens.

A noite deste sábado será abastecida com desfiles das escolas Império de Casa Verde, Acadêmicos do Tucuruvi, Mocidade Alegre, Vai-Vai, Dragões da Real e X-9 Paulistana. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.