AFP
AFP

Único sistema a ter alta, Cantareira sobe pelo 50º dia seguido

Há mais de cinco meses o principal sistema hídrico do Estado de São Paulo não registra perda no volume de água represada

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

05 Abril 2016 | 10h08

SÃO PAULO - Considerado o principal sistema hídrico de São Paulo, o Cantareira registrou nesta terça-feira, 5, a 50ª alta consecutiva de volume de água represada.  O Cantareira caiu pela última vez no dia 22 de outubro. Na ocasião, o nível do sistema baixou de 15,7% para 15,6%.

De acordo com relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), nesta terça-feira,  os reservatórios que compõem o Cantareira avançaram 0,1 ponto porcentual e operam com 65,9% da capacidade. No dia anterior, o índice estava em 65,8%. Esse dado, tradicionalmente divulgado pela companhia, calcula o volume morto como se fosse volume útil do sistema.

O Cantareira foi o único dos principais mananciais a registrar aumento no volume armazenado de água. Alto Tietê, Guarapiranga, Alto Cotia e Rio Grande sofreram perda, enquanto o Rio Claro ficou estável.

Não foi registrada chuva no Cantareira nesta terça-feira. Nos cinco primeiros dias de abril, que inicia o período seco, choveu apenas 0,9 mm no valor acumulado - a média história para o mês é de 88,7 mm. Em março, no entanto, o sistema superou a expectativa de chuva, com 179,6 mm acumulados - pouco acima da média histórica, de 178 mm.

O índice que desconsidera o volume morto do sistema aponta o Cantareira com 36,6% da capacidade - 0,1 ponto porcentual acima do dia anterior, quando os reservatórios registravam 36,5%. A mesma variação ocorreu no terceiro índice, segundo o qual o sistema subiu de 50,9% para 51%.

Outros mananciais. Usado para socorrer o Cantareira durante a crise, o Guarapiranga perdeu 0,4 ponto porcentual da sua capacidade. Com a queda, o nível do sistema recuou de 86,6% para 86,2%. Por sua vez, o Alto Tietê caiu 0,1 ponto e opera com 42,8%. Esse índice já considerando um volume morto acrescentado ao cálculo em 2014.

O Rio Grande teve recuo de 0,3 ponto porcentual, e o nível do sistema passou de 95,8% para 95,5%. O Alto Cotia também teve queda de 0,2 ponto percentual e opera com 99,8%. Já o Rio Claro ficou estável em 101,9%.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULOSabesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.