Facebook pessoal
Facebook pessoal

Unesp tem vigília após assassinato de estudante

Aluna morta a facadas a caminho da faculdade engrossou as estatísticas recentes de feminicídio no interior paulista

Rene Moreira, especial para O Estado

10 Abril 2018 | 11h25

FRANCA - Uma universitária foi morta na tarde desta segunda-feira, 9, em Ilha Solteira, interior de São Paulo, e o principal suspeito do crime é o ex-namorado da vítima. Maria Júlia Martins Quintino da Silva, de 17 anos, estudava zootecnia na Unesp e levou várias facadas quando seguia pela calçada, ao sair da república onde morava, rumo à faculdade. 

A Unesp decretou luto e os estudantes se vestiram de preto e fizeram uma vigília silenciosa na noite desta segunda-feira. Outro ato no campus da universidade está marcado para a tarde desta terça, 10.

+++ Em 24 horas, 5 casos de feminicídio são registrados no interior

"Reconhecemos que precisamos oferecer um apoio direto a vítimas de ameaças para evitar novos casos como esse, que não são isolados", diz um comunicado do Diretório Acadêmico e do Núcleo de Apoio e Discussão de Gênero e Sexualidade (Nugens). "O machismo ocorre corriqueiramente e mal percebemos tais atitudes. Isso deve cessar!", completa a nota. 

A polícia ainda procura o autor do crime, que abandonou um carro durante a fuga. Segundo testemunhas, ele teria namorado a estudante por cinco anos e não aceitava o fim do relacionamento. Maria Júlia foi esfaqueada pelo menos 15 vezes e seu corpo será sepultado em General Salgado, interior de São Paulo, cidade onde reside sua família.

+++ Homem mata a ex-mulher a facadas na frente das filhas em Osasco

Outras

Maria Júlia não foi a única vítima de violência no interior paulista nas últimas horas. Duas mulheres foram encontradas mortas na tarde desta segunda-feira, em uma fazenda em São José do Rio Preto, interior de São Paulo. 

Eliana Costa, de 56 anos, e Clarice Thome de Souza Costa, de 59, eram cunhadas e apresentavam ferimentos na cabeça. A polícia investiga o caso e tenta chegar ao autor do crime. Antes delas, pelo menos outras cinco mulheres também foram assassinadas em cidades paulistas nos últimos três dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.