Reprodução
Reprodução

Unesp, Polícia Federal e MP investigam site que faz apologia ao estupro

Universidade abriu investigação interna para apurar se site foi criado por aluno ou funcionário; universidade é mencionada como local de "teste" para as experiências

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

27 Julho 2015 | 16h59

SÃO PAULO - A ouvidoria da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) abriu um processo interno de averiguação sobre um site que faz apologia ao estupro de mulheres e teria sido feito por um de seus estudantes ou funcionários. O blog "tioastolfo", criado no ano passado, tem repercutido em diversos grupos da Unesp nas redes sociais. O Ministério Público Estadual (MPE) e a Polícia Federal, que receberam denúncias sobre o site, apuram o caso. 

A última postagem do blog, no dia 27 de julho, dá "dicas" de como estuprar mulheres em ambiente escolar. Em outra, do dia 26, faz apologia ao estupro em festas e baladas.  O texto foi compartilhado 14 mil vezes no Facebook. A página é ilustrada com imagens pornográficas, fotos de um homem segurando um livro de Adolph Hitler e fotos de mulheres jovens. 

Em um dos textos, o autor menciona que "já testou extensivamente" os guias no Instituto de Química da Unesp de Araraquara e "garante que funciona". A Unesp, em nota, diz que "repudia quaisquer opiniões preconceituosas e que incitem a discriminação, violência e sentimentos de ódio realizadas por pessoas ligadas ou não à instituição".

O episódio acontece pela segunda vez na Unesp em uma semana. No dia 21, a universidade divulgou nota em que repudia textos atribuídos a um ex-aluno. Um blog em nome do ex-estudante publicou artigos como "mulheres gostam de apanhar, lide com isto" e "eu ri do incêndio da Kiss", em referência ao acidente em uma boate em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, que deixou 242 mortos. A mãe deste ex-aluno, citado nominalmente no site da Unesp, entrou em contato com a reportagem para negar a autoria dos textos e informar que já registrou um boletim de ocorrência. De acordo com ela, o filho não é o responsável pelas postagens.

Em nota, a Polícia Federal apenas informou que "todos os sites dessa natureza são monitorados", mas que "não pode entrar em detalhes de casos específicos sob pena de comprometer as investigações". Já o MPE informou que a denúncia, recebida do Ministério Público Federal, está sendo apurada pelo Centro de Apoio Operacional Criminal (Cao Criminal).

Autoria. O próprio site disponibiliza uma aba sobre "quem é o autor", com foto e nome de um blogueiro que vive atualmente em Várzea Grande (MT). A reportagem contatou o rapaz, que negou a autoria dos textos.  O Estado apurou que ele registrou um boletim de ocorrência por "preservação de direito" no 3º Distrito Policial de sua cidade, às 13h desta segunda-feira. À delegacia, o blogueiro afirmou que "nunca foi conivente coms crimes citados" e que o site foi feito por um "desafeto na internet". 

Mais conteúdo sobre:
unespestuproviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.