UnB é a 1ª federal a criar curso aberto online

Depois de a USP criar o primeiro Mooc (sigla em inglês para curso aberto, online e em massa) da América Latina, no mês passado, a primeira universidade federal a oferecer um programa do gênero no Brasil é a Universidade de Brasília (UnB). Elaborado em parceria com o portal Veduca (www.veduca.com.br), o Mooc de Bioenergética é o primeiro do País na área de Ciências da Saúde e está disponível online gratuitamente a partir de hoje. Há ainda propostas de aumentar essa modalidade de ensino em outras universidades brasileiras.

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2013 | 02h06

Além da UnB, outras quatro instituições devem lançar cursos com o Veduca no segundo semestre: o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a PUC-SP e a PUC-RJ.

"Os cursos devem ser na área de especialidades dessas universidades. O ITA tem uma expertise muito grande no setor de Aeronáutica, por exemplo, e a FGV tem uma fortaleza muito grande nas áreas de Administração, Economia e Direito", afirma Carlos Souza, fundador do Veduca.

Já o Mooc da UnB foi criado para suprir uma falta de cursos online na área de Biológicas. "Um curso como esse é básico, por exemplo, para qualquer médico. Hoje o perfil de quem faz Mooc é o aluno de Exatas e poucos são de Ciências da Saúde, exatamente porque ainda há falta de cursos online nessa área", explica Souza.

Qualquer interessado pode se inscrever no site do Veduca para cursar o Mooc de Bioenergética. As aulas são grátis e não há limite de prazo para se inscrever e até para concluir o curso - é o aluno quem organiza o tempo de estudo.

Os vídeos disponíveis foram gravados no segundo semestre do ano passado, em aulas dadas pelo professor Fernando Fortes de Valencia, da UnB, aos alunos de Ciências Biológicas de licenciatura e bacharelado da instituição. Dividido em 14 aulas (com 1h20 e separadas em quatro partes, em média) o Mooc oferece fóruns de discussão, testes online e debates com o professor.

No fim do curso, que em média leva três meses para ser concluído, haverá uma prova presencial e distribuição de certificado para quem for aprovado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.