Umidade do ar chega a 14% e São Paulo entra em estado de alerta

Ao chegar aos 33ºC, cidade também registrou temperatura mais alta deste inverno; previsão é de que calor amenize durante esta semana

O Estado de S. Paulo

25 Agosto 2014 | 18h34

Atualizado às 22:55

SÃO PAULO - A umidade do ar chegou nesta segunda-feira a 14% na região do Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, semelhante ao índice de deserto, o que deixou a cidade em estado de alerta. Na média, a umidade em toda a capital ficou em 19% na tarde desta segunda, de acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). A temperatura máxima registrada pelo órgão foi de 33°C - o dia mais quente do inverno, superando em 1,1°C as máximas deste sábado e domingo.

"Desde 13h40, que registrava, em média, 22%, os porcentuais de umidade do ar diminuíram ainda mais. Assim como na região de Congonhas, que aferiu 14% às 16h, a estação meteorológica do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), localizada no Mirante de Santana, na zona norte, registrou 14% às 15 e às 16 horas", afirmou o órgão, em nota.

O jardineiro Ivanildo da Silva, de 57 anos, afirmou que passou mal com o aumento de temperatura e o ar seco. "Eu já tenho problema de pressão alta, ainda mais com esse calor", contou. "Para quem trabalha na rua é bem mais difícil", disse, depois de sair da UBS Santa Cecília.

Outra paciente da UBS, a dona de casa Sônia Regina Batista de Oliveira, de 57 anos, acrescenta que é comum passar mal em dias com o tempo seco. "Eu até evito sair de casa", disse.

Previsão. A terça-feira ainda será de tempo seco e ensolarado, segundo o CGE. "No fim do dia aumenta a quantidade de nuvens por causa da aproximação de uma frente fria de fraca atividade. O sistema vai trazer alívio na qualidade do ar e aumento dos índices de umidade, com porcentuais de umidade entre 32% e 85%."

De acordo com os meteorologistas da Climatempo, há chance até de chuvisco na noite desta terça-feira - 20% de possibilidade de cair 1 milímetro de chuva. "Vai aliviar um pouco a situação, sem dúvida", comenta o meteorologista Marcelo Pinheiro. Na quarta-feira também deve chover pela manhã. São 60% de chance de 2 milímetros de precipitação. "A quarta-feira vai começar com maior quantidade de nuvens em decorrência da propagação da frente fria, que começa a atuar no sul do Estado", explica o CGE, em nota.

Queimada. No interior, satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registravam 286 focos de incêndios, na tarde desta segunda. A concentração maior ocorria nas regiões de Campinas e São José do Rio Preto.

Mais conteúdo sobre:
tempoSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.