Umidade cai a 12% em SP e Kassab fala em ''ampliar restrição''. Mas plano é vago

O ar seco e a poluição de São Paulo chegaram ontem a níveis recordes e preocupantes. Esta já é a maior sequência de dias poluídos desde outubro de 2002. A umidade ficou no limite do estado de emergência, com 12% - o menor índice do ano. Em razão dessa situação, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) afirmou ontem que a Prefeitura pode endurecer as restrições aos veículos.

Paulo Saldaña e Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2010 | 00h00

Pela manhã, Kassab disse que a Prefeitura está preparada para "adotar medidas que, às vezes, não são agradáveis, mas necessárias para preservar a saúde das pessoas". Afirmou que há um plano de emergência para essas situações, elaborado em 2009, mas não deu detalhes. O Plano de Contingência para Situações de Baixa Umidade, elaborado na verdade em 2008, é vago. Nele, a Prefeitura fala em restrição de atividades físicas, aulas, mas não cita ações relativas ao trânsito.

Ontem, Kassab citou entre as medidas "a recomendação e até a determinação para que as pessoas mudem a sua carga horária". Questionado sobre mudanças no rodízio, o prefeito disse apenas que "as restrições não têm limite". Anteontem, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) havia emitido um aviso pedindo à população para evitar o uso de carros.

Já são oito dias seguidos de ar poluído na capital e na Grande São Paulo, com condições consideradas inadequadas pela Cetesb. Em 2002, a sequência chegou a 12 dias. Ontem, 13 das 18 estações de medição do ar na Região Metropolitana registraram a classificação "inadequada" ou "má". Nenhuma teve índice "bom". "A massa de ar quente não deixa as matérias poluentes se dispersarem", diz a gerente de qualidade do ar da Cetesb, Maria Helena Martins.

A umidade ficou abaixo de 30% por nove dias seguidos em São Paulo, o que configura estado de atenção. O adequado para a saúde é 60%. À noite, o índice subiu. A Defesa Civil mediu índices entre 40% e 65% em suas nove estações na cidade. / COLABORARAM VIVIANE BIONDO E LUIZ GUILHERME GERBELLI

NA EMERGÊNCIA

Recomendações da Prefeitura para umidade abaixo de 12%:

Locais fechados

Suspender aulas e sessões de cinema entre as 10h e as 16h

Atividades físicas

Interromper coleta de lixo, entrega de correspondência, aulas de educação física

Umidade

Umidificar quartos de hospitais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.