Uma tragédia. E 231 histórias interrompidas

Eram estudantes, colegas de trabalho, namorados e irmãos que saíram para se divertir naquela que deveria ser uma noite de festa

DENIZE GUEDES , JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2013 | 02h01

Na madrugada de domingo, 231 histórias de estudantes, casais de namorados, irmãos e irmãs, colegas de trabalho, servidores da Justiça e militares do Exército e da Aeronáutica estavam entrelaçadas na festa Agromerados, organizada por universitários na Kiss. E acabaram interrompidas no incêndio da Rua dos Andradas.

Apenas do curso de Agronomia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) morreram 26 alunos - a instituição perdeu 106 de seus estudantes, que, além de compartilharem projetos profissionais nos bancos da graduação e pós-graduação, também dividiam sonhos.

A UFSM uniu e perdeu casais, como o estudante de Agronomia Luiz Fernando Riva Donati, de 20 anos, e a aluna de Administração Flavia de Carli Magalhães.

Faixa azul de jiu-jítsu, Guilherme Pontes Gonçalves também era da Agronomia. Ele havia deixado a cidade de Cachoeira do Sul para, além de estudar, encontrar Stefani Posser Simeoni, que chegara de Marau, no norte do Rio Grande do Sul, para cursar Odontologia. Desde setembro, eram namorados.

A UFSM também juntou Rosana Fernandes Rehermann e Luiz Antonio Xisto. Estudante do curso de Formação Profissional de Professores, ela era escrivã e casada com Luiz Antonio, aluno da Medicina Veterinária - graduação que perdeu mais 14 de seus alunos.

Rosana morreu ao lado do marido e de mais dois colegas, todos funcionários do fórum da cidade - um deles era Augusto Sergio Krauspenhar da Silva, estudante de Filosofia.

Vida curta. Houve quem não foi à festa na companhia de namorado. Paola Rodrigues Costa, por exemplo, dizia nas redes sociais que andava invocada com "esse tal de amor". Então, para curtir a "vida curta demais", tinha resolvido sair com amigos do trabalho. Morreu com mais quatro colegas das Lojas Americanas.

Assim como Paola, o estudante de Agronomia Fábio José Cervinski expunha sua empolgação nas redes sociais. Do lado de fora da Kiss, pouco antes de entrar para a Agromerados - onde se "cruzaria" com Luiz Fernando, Flavia, Guilherme, Stefani, Rosana, Luiz Antonio -, compartilhava na internet sua euforia: estava na "concentração". Fábio havia vencido dois anos antes uma leucemia em sua cidade natal, Arroio do Meio.

Ao contrário de Fábio, os irmãos Marcelo de Freitas Salla Filho e Pedro de Oliveira Salla nasceram e cresceram em Santa Maria e, como o estudante de Agronomia, buscavam diversão. Havia, no entanto, quem não fazia da Kiss lazer, como Rogério Cardoso Ivaniski.

A trabalho. Pai do pequeno Henrique, ele havia dito para a mulher que só trabalharia até esta semana na boate. A tragédia não o deixou cumprir sua promessa, como tantas outras que estavam ainda por vir para todos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.