Uma extensa história sexual paulistana

Frederico Andahazi, romancista argentino, escreve sobre sexualidade

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2011 | 00h00

Para o escritor argentino Frederico Andahazi, é impossível entender um país se não for à luz da história de sua sexualidade. Ele explica: "Os países, assim como seus habitantes, são filhos de uma complexa rede de relações sexuais - digo sem metáforas. As mais antigas políticas estabelecidas em nossos países foram sexuais: a mestiçagem durante a conquista (Ibérica), a consolidação das oligarquias pelo pacto entre famílias e a imigração foram políticas sexuais."

E como seria a história sexual dos paulistanos? "Muito extensa. Não sei se teria uma vida para contá-la." Andahazi achava a capital paulista tão incompreensível quanto o Brasil. Mas só até conhecer sua gente. "São amáveis e generosos. Sinto-me bem imediatamente aqui, como se estivesse em casa."

A casa dele fica em Buenos Aires, de onde escreveu Pecar como Deus Manda, uma não ficção sobre a sexualidade dos argentinos. Com metáforas, Andahazi diz que Buenos Aires é uma mulher bonita complexada e preocupada com o que falam dela. São Paulo, por sua vez, desfruta da vida sem se importar com o que os demais podem dizer.

No Festival da Mantiqueira, ele cobrou intercâmbio das produções literárias vizinhas. "Vejo, com preocupação, que quase não publicam novos autores brasileiros na Argentina e não traduzem argentinos ao português."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.