Um quinto das pessoas que fazem exame de HIV no Emílio Ribas desiste do resultado

Medo e falta de informação são os principais motivos que levam a não querer saber o diagnóstico

Agência Brasil,

10 Março 2013 | 19h12

Um levantamento feito pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas aponta que de 867 pessoas que fizeram exame de sorologia para HIV no instituto, entre janeiro e dezembro de 2012, um quinto não voltou para buscar o resultado do teste. De acordo com o infectologista Jean Gorinchteyn, o medo e a falta de informação são os principais motivos que levam a não querer saber o resultado do exame.

“As pessoas se encorajam a fazer o exame, mas o que as faz não buscar é o fato de que ao fazer o exame entram no ambiente hospitalar e imaginam que elas possam ter, com o diagnóstico positivo, uma mudança completa de vida, com enfrentamento de preconceitos e tudo mais”, disse.

Gorinchteyn reforçou que é preciso que as pessoas se conscientizem da necessidade de saber o resultado do exame. Assim, caso estejam contaminadas, possam se tratar e evitar a transmissão do vírus para outras pessoas. Segundo ele, cerca de 30% das pessoas que fazem o exame estão infectadas. “Eles acham que estão bem, pois normalmente estão em uma fase na qual não têm alterações imunológicas. Quando descobrem, é a hora que vão ter as doenças oportunistas”. O médico disse ainda que o diagnóstico precoce é essencial para o sucesso do tratamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.