Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Um em cada cinco foliões do carnaval de SP é novato em bloquinhos

Pesquisa traçou perfil dos que frequentam os bloquinhos paulistanos: a maioria é mulher e da classe B; 45% tem entre 25 e 34 anos

Renata Cafardo, Gilberto Amendola e Marcela Paes, O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2018 | 03h00

Um em cada cinco foliões do carnaval de rua deste ano em São Paulo é novato em bloquinhos. A constatação vem de uma pesquisa feita na semana passada com quem planejava participar da festa. Também foi traçado o perfil dos que frequentam os bloquinhos paulistanos: a maioria é mulher e da classe B; 45% tem entre 25 e 34 anos. 

++ Veja horários e locais dos bloquinhos de São Paulo

“Os dados mostram uma consolidação do carnaval de São Paulo”, diz o presidente da empresa de tecnologia Alexandria Big Data, Federico Sader. A tabulação indica que uma porcentagem de pessoas semelhante à registrada este ano - entre 15% e 17% - começou a frequentar bloquinhos em 2017, 2016 e 2015. Segundo ele, não é possível falar em crescimento porque não se sabe o número de foliões que deixam de participar da festa ano a ano. 

A pesquisa foi feita por meio de um aplicativo de celular, mantido pela empresa, em que há 680 mil cadastrados. Essas pessoas recebem um incentivo em dinheiro para fazer parte do grupo e serem requisitadas para tarefas. “Pode ser tanto responder uma pesquisa como essa ou ir a um restaurante comer o menu do dia”, explica. “A vantagem é que temos informação prévia desses indivíduos, sabemos com quem estamos falando.” Foram feitas 400 entrevistas sobre o carnaval de rua.

Os resultados mostraram também que, entre os novatos, 46% disseram que queriam participar de bloquinhos pela companhia dos amigos e 10% porque não tinham dinheiro para viajar. Era possível dar mais de uma resposta. Grande parte (42%) também afirmou que decidiu começar a frequentar a festa porque “sempre teve vontade de saber como era”. 

++ Blocos de carnaval reúnem multidão na Avenida 23 de Maio em São Paulo

A enfermeira Joyce Rodrigues, de 26 anos, veio de Irecê, na Bahia. Ela já perdeu a conta de quantas vezes pulou o carnaval em Salvador. Por isso, neste ano, decidiu ouvir o chamado de amigas paulistanas e arriscar uma festa diferente. “É difícil deixar a Bahia durante o carnaval, tem gente que não acredita, mas estou adorando o clima, a energia das pessoas e os bloquinhos.” Joyce aproveitou a festa neste domingo, 11, no Bloco Madalena, na Vila Madalena.

As irmãs Jessica e Amanda Pereira, de 27 e 28 anos, vieram pela primeira vez de Jundiaí só para ver o bloco Chá Rouge, neste domingo, 11,  na 23 de Maio. Segundo a pesquisa, esse era o bloco preferido dos novatos. As irmãs choravam muito. “Não nos importamos muito com o carnaval.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.