Um dos ficais teria conta em Miami

O Ministério Público Estadual (MPE) mandou apurar a existência e o conteúdo de uma conta corrente mantida em Miami (EUA) pelo auditor fiscal Luis Alexandre Cardoso Magalhães, o fiscal preso durante a Operação Acerto de Contas liberado após fazer acordo de delação premiada com a promotoria do caso.

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2013 | 02h13

O resultado da pesquisa ainda não chegou ao conhecimento do promotor Roberto Bodini, que conduz as investigações. Magalhães, no entanto, não é mais tratado como suspeito - ele foi para o rol das testemunhas que estão ajudando no fornecimento de provas para a acusação de outros três fiscais.

A conta seria mantida por Magalhães e pelo fiscal Amilcar Cançado Lemos, auditor também investigado pelo Ministério Público e apontado como "criador" do esquema, mas que foi afastado do restante do grupo depois de uma briga.

O promotor Bodini explicou, no entanto, que a existência e o volume movimentado nessa conta não interferem na apuração do esquema. A maior parte do patrimônio em nome dos acusados, segundo o que foi apurado na investigação, vem de imóveis que os fiscais adquiriram.

Bens. Só Magalhães, que assinou a delação, tem 19 apartamentos. Seus bens, no entanto, estão congelados, assim como os dos demais investigados. /B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.