Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Um ano depois, parques inaugurados por Kassab têm favela, lixo e escuridão

Estado visitou os mesmos lugares percorridos pela reportagem em 2011; uns poucos melhoraram, mas maioria continua com muitos problemas

RODRIGO BURGARELLI, CAMILA BRUNELLI, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

26 Março 2012 | 03h02

Há parques em São Paulo com favela dentro, lixo, pichação, sem iluminação e segurança. É o que constatou o Estado ao refazer um ano depois o roteiro de visitas a 13 parques inaugurados pela gestão Gilberto Kassab (PSD). Examinados em fevereiro de 2011, 12 deles tinham problemas. A reportagem voltou aos mesmos espaços. Alguns melhoraram, mas a maioria ou continua igual ou até pior.

A nova visita faz parte de uma série mensal de reportagens lançada hoje pelo Estado sobre o plano de metas oficial do prefeito: a Agenda 2012. O objetivo é analisar a execução e a manutenção das principais promessas feitas por Kassab e marcadas como cumpridas no site do plano.

O caso mais problemático é o do Parque Linear Taboão. Inaugurado em fevereiro de 2010 em Sapopemba, na zona leste, foi construído no lugar de uma favela. Os antigos moradores, porém, acabaram voltando a erguer seus barracos na mesma área, que pouco a pouco foi perdendo a face de lazer. Após a reportagem ser publicada, a Prefeitura retirou o parque da lista dos 50 a serem entregues na atual gestão, mas não resolveu o problema.

Todo o investimento gasto para a construção - o valor não é informado pela Prefeitura - não parece que vai ser recuperado tão cedo. A favela continua ocupando o terreno e está aumentando. O mato está alto, os moradores usam o playground como estacionamento particular e parte da área verde virou lixão. A Prefeitura informou apenas que retirou o equipamento público da Agenda 2012.

Melhorias. De maneira geral, os que hoje estão em boas condições de uso são cinco. O Parque Linear Mongaguá, em São Miguel Paulista, está com a vegetação aparada e um novo posto de segurança inaugurado, apesar de ainda ter lixo no córrego. O Parque Águas, no Itaim Paulista, e Jardim Herculano, no Jardim Ângela, também agradam aos moradores - ambos ficavam trancados 24 horas por dia há um ano. O Parque Urbano Lajeado, na zona leste, que não tinha playground, já instalou os brinquedos e muitas crianças brincavam na área em uma tarde de quarta-feira. E o Urbano Benemérito Brás, na Mooca, que já estava em funcionamento no ano passado, segue bem cuidado.

Não é o caso dos outros oito. O Parque Urbano Cohab Raposo Tavares, no Butantã, por exemplo, apresenta problemas estruturais - como a pista de skate, que é inclinada demais para ser usada - e de manutenção, dois anos depois da inauguração. "A luz não funciona e está tudo pichado. Isto aqui à noite é muito perigoso", diz a dona de casa Maria Cristina Soares, de 45 anos.

O problema da iluminação se repete em outros três: o Consciência Negra, em Cidade Tiradentes, o Linear Guaratiba, em Guaianazes, e o Urbano Ciência, também no extremo leste. A reportagem viu usuários de drogas nos dois primeiros. O Parque Guanhembu, na Capela do Socorro, zona sul, deveria ter sido entregue no primeiro semestre de 2011 - e as obras continuam. Não há playground. A administração afirma que vai abrir licitação para uma segunda etapa de obras para os Parques Guanhembu e Urbano Cohab Raposo Tavares e "em breve" vai consertar a iluminação dos outros.

Lixo. Uma situação bem pior, parecida com a do parque-favela Taboão, é a do Senhor do Vale, no Jaraguá. O cenário é de abandono: mato alto, quadras de esporte e lixeiras pichadas, trave da quadra quebrada. Há dois playgrounds no entorno do parque, que pertencem ao equipamento. Em um deles, na Rua Ciriaco Jimenez, só sobrou um brinquedo, visto que, segundo moradores, todo o restante foi depredado por adolescentes que costumam usar a área para consumir drogas.

Segundo a Prefeitura, esse parque não é mais considerado como entregue. A data prevista de inauguração apenas mudou de dezembro de 2010, como estava no ano passado, para dezembro de 2012. Outro lugar teve a data de inauguração corrigida: o Parque Linear Sapé, no Butantã. Marcado como inaugurado em 2009, estava em obras em 2011 e a situação permanece a mesma neste ano. As remoções de moradores da favela onde ficará o parque nem sequer foram concluídas.

Após a reportagem do ano passado, a Prefeitura mudou a denominação do site e afirmou que apenas a "primeira etapa" havia sido entregue em 2009. No site da administração, porém, uma notícia de 2008 já dizia que a primeira etapa tinha sido entregue, ainda na primeira gestão de Kassab. A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente afirmou que a pasta de Habitação é responsável pelas obras.

Mais conteúdo sobre:
parques abandonados lixo kassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.