Um ano depois, pacote para zona leste está parado

Além da construção do estádio do Corinthians em Itaquera, plano era investir em obras e melhorias para desenvolvimento da região

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2012 | 03h02

Um ano após o anúncio de um pacote de melhorias para a zona leste por causa da Copa de 2014, os principais projetos anunciados por Município e Estado para desenvolver a região estão parados ou nem começaram. A lista inclui conjunto de obras para melhorar o acesso a Itaquera, onde o Corinthians constrói o estádio que receberá a partida inaugural do Mundial e a concessão de isenções fiscais a pequenos empresários, além de uma nova rodoviária e a remodelação do terminal de ônibus.

A construção do Parque Linear Rio Verde-Jacu teve início, mas em apenas um trecho, nas proximidades da Avenida Itaquera. E mesmo assim encontra dificuldades para avançar, pois a desapropriação das centenas de famílias à beira do Córrego Verde não foi finalizada. Parte das novas alças para a Avenida José Pinheiro Borges, em Guaianases, também começou a ser feita, mas foi paralisada há cerca de dois meses (leia mais abaixo).

Para a população, no entanto, a medida mais esperada é a concessão de incentivos para empreendedores que querem instalar-se na região, aumentando a oferta de empregos e reduzindo o tempo dos deslocamentos diários em sistemas de transporte público já saturados. Quase um ano após a aprovação da lei que permite à Prefeitura destinar R$ 420 milhões em isenções fiscais ao Corinthians, para a construção do Itaquerão, as empresas interessadas em obter o mesmo benefício ainda não foram convocadas pelo Município.

O edital para concessão dos descontos em IPTU e ISS, por exemplo, não tem prazo para ser publicado e empresários já ameaçam deixar a região. Por enquanto, o Conselho do Programa de Incentivos Seletivos para a zona leste só avalia o projeto apresentado pela Odebrecht, responsável pela construção da arena do Corinthians. O parecer deve sair em breve, segundo a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho.

Aprovada em 2004, na gestão Marta Suplicy (PT), a lei que estabeleceu a concessão dos benefícios ainda não foi colocada em prática. O único edital lançado pela Prefeitura desde então, para convocação de interessados, destinou-se apenas à construção do estádio. E a legislação, alterada duas vezes no atual governo, tem prazo de validade: 2017.

Diretor de uma empresa de telemarketing instalada em Itaquera, Elio Salles diz que já formatou propostas à gestão Gilberto Kassab (PSD) para obtenção dos benefícios, mas, sem o lançamento do edital, não consegue resposta. "Nossa empresa tem recebido convites de municípios vizinhos e até mesmo de outros Estados. A intenção permanece sendo a de realizar o projeto de expansão aqui na capital e, em especial na zona leste, mas diante dessa definição sobre a política de incentivos não temos como garantir nossa permanência."

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho confirma que não há data definida para a publicação do edital, só prevê que ela ocorra até o fim da gestão Kassab. Segundo a pasta, o incentivo seletivo está formatado e, atualmente, é analisado pelas secretarias municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.