Divulgação/Tomie Ohtake
Divulgação/Tomie Ohtake

Últimos dias para ver a exposição Salvador Dalí têm filas de duas horas em SP

Exposição vai até dia 11 e quem quiser arriscar precisa chegar cedo, as senhas para visitar as obras do artista surrealista se esgotam antes do meio-dia

Gheisa Lessa, O Estado de S. Paulo

06 Janeiro 2015 | 18h14

Voltas no quarteirão, sol forte e horas de espera fazem o ano de 2015 começar agitado no Instituto Tomie Ohtake, na zona oeste de São Paulo. A procura crescente pelos últimos dias da exposição Salvador Dalí - que termina dia 11 - já cria filas de até duas horas de espera para ver de perto o maior acervo artístico já apresentado sobre o artista surrealista.

O número de visitantes ainda não foi divulgado pelo instituto, que prefere contabilizar o público quando a mostra chegar ao fim. Mas, mesmo sem o balanço oficial, as filas deste começo de ano são uma boa demonstração de que Salvador Dalí representa um saldo positivo logo no início de 2015.

As horas de espera, segundo a assessoria de imprensa, são para a retirada de senha, necessária para entrar na exposição. Assim que o visitante recebe sua senha, a entrada para as salas que abrigam as 218 obras do artista está liberada. 

As senhas começam a ser distribuídas às 10h da manhã, sendo o primeiro horário de entrada às 11h. Os bilhetes seguem sendo entregues na fila até a lotação do limite diário para os demais horários, às 14h e às 17h, ou até as 18h, caso não aconteça a lotação total para o dia. Ao longo da última semana, todas as senhas para os três horários de visitação esgotaram-se antes do meio-dia, segundo a organização.

O público deve ficar atento ao fato de a fila ser apenas para a visitação da exposição Salvador Dali e não para ter acesso às instalações do Tomie Ohtake. Banheiros, lanchonete e bebedouros do local podem ser usados a qualquer momento, ressalta a assessoria de imprensa, que também recomenda àqueles que ainda não foram e desejam ver as obras do artista surrealista alguns cuidados:

Calor - levar garrafas de água que podem ser abastecidas no instituto e guarda-chuvas tanto para o caso de chuvas quanto para criar sombras contra o sol forte.

Bagagens - não é permitida a entrada de mochilas ou bolsas grandes nas salas da exposição. Para evitar tumultos nos guarda-volumes - disponibilizados gratuitamente pelo instituto - a recomentadão é levar pouca bagagem.

Senhas - a distribuição de senhas começa todos os dias de exposição, às 10h da manhã e o primeiro horário de entrada é às 11h. 

Com recorde de visitas batido em 2014, a expectativa para este ano é manter a alta procura do público pelo instituto, que deve começar a investir em pesquisas sobre arte e aprofundar o setor educativo em projetos para a população de bairros carentes. 

Visitas Especiais. O Instituto Tomie Ohtake também oferece serviço de visitas orientadas pelos educadores do local. Elas devem ser marcadas via aplicativo do instituto Tomie Ohtake de celular (iOS ou Android) e custam R$50 (ou meia entrada para estudantes R$15). No momento da compra, o app cria um QR Code que deve ser apresentado na recepção do Institudo. O participante deve chegar com 15 minutos de antecedência. No caso da exposição Salvador Dali essas visitas acontecem pela manhã, antes da entrada do público por senhas. 

Serviço:

De terça a domingo, das 11h às 20h - Livre - Entrada gratuita por sistema de senhas: distribuição das 10h às 18h (terça a domingo) na entrada do Instituto Tomie Ohtake

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.