Último dia tem liturgia fashion, cores fortes e reflexão ambiental

A temporada outono-inverno 2011 de São Paulo termina em alta, especialmente graças a um novo nome que desponta na moda masculina: João Pimenta. Em sua segunda participação na São Paulo Fashion Week, o estilista mineiro comunga suas ideias com a moda por um viés religioso, que explora hábitos da Igreja Católica.

Lilian Pacce, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2011 | 00h00

Nesta grande liturgia fashion, os modelos saem de um confessionário no qual batinas, túnicas e casulas ganham tecidos nobres e bordados incríveis, incorporando elementos da camisaria e da alfaiataria. Lãs cinza-mescla permeiam a coleção, dando suporte para a tricoline branca e o veludo vermelho.

Entre pregas religiosas e calças-bloomer, a silhueta é trapézio, mas o cíngulo amarrado na cintura alta a transforma em império. Os bordados no veludo são dignos de um papa, e tudo emana austeridade e modernidade na mesma medida. Dá vontade de ser homem para usar João Pimenta. Bênção, João!

Alexandre Herchcovitch também é autor de imagens fortes em seu desfile masculino. Nesta temporada, ele procura refletir sobre grandes desastres e seu impacto na natureza. O laminado térmico remete ao aquecimento global, o náilon alaranjado fala de energia solar e o capuz com pano e óculos escuros tapando a cara dos meninos parece um statement que alerta para o risco de o homem ter de viver cada vez mais protegido de seu próprio hábitat. Aqui também tudo é muito austero, numa marcha gótica com pinceladas de Durer.

Já Gloria Coelho talvez seja a estilista mais pop-chic made in Brazil. Os monstrinhos de Pokémon são sua inspiração para um inverno feminino, sustentado sobre calças em forma de nova bootleg e casacos impecáveis, com recortes precisos que valorizam a silhueta.

Gloria pensa tudo em 3-D e com movimento. Suas roupas têm cristas e carapaças de organza, que vêm acopladas ou como acessórios multifuncionais, como uma roda mágica. As cores primorosas trazem combinações inovadoras e entram até na meia-calça que compõe com o detalhe da botinha Pokémon. Suas construções são absolutamente arquitetônicas e vale a pena observá-las de perto. Sorte nossa, já que hoje ela abre a exposição Linha do Tempo no Museu da Casa Brasileira em SP, apresentando 60 looks criados desde o início da SPFW, em 1996.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.