Tutty Humor

Ela não confessa nem sob tortura da CIA, mas quem esteve com Condoleezza Rice nos últimos dias percebeu de cara: os olhinhos da ex-secretária de Estado dos Estados Unidos brilham mais intensamente desde quinta-feira, quando correu a notícia sobre o álbum, todinho de fotografias dela, que Muamar Kadafi, em fuga, deixou pra trás em sua fortaleza de Bab al-Azizia, em Trípoli.

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2011 | 00h00

É o tipo de agrado de ditador africano que não deixa o objeto de seu desejo em saia-justa, como aconteceu com a modelo britânica Naomi Campbell, que foi parar no Tribunal de Haia por causa de um "diamantezinho de nada" que admitiu ter recebido a título de galanteio de Charles Taylor, o terrível ex-presidente da Libéria.

O caso de Condoleezza é diferente! Ela não fez nada de errado e, cá pra nós, o fetiche do ex-ditador é um desses raríssimos momentos platônicos na biografia do homem que ensinou o bunga-bunga a Berlusconi.

Foi bom para ela acordar de novo notícia mundo afora no papel da mulher sedutora que os ossos do ofício escondiam. Daí o tal sorriso diferente que não consegue disfarçar nem dos vizinhos, mas é bom parar por aí. Vai que o cara resolve lhe mandar um torpedo!

Ditador platônico

Ainda bem que Marília Gabriela não faz o tipo de Muamar Kadafi.

Ou ele estaria colecionando fotos da jornalista desde que ela o entrevistou para o seu Cara a Cara, em 1988.

Dúvida cruel

Uma coisa não ficou muito clara nas fotos que a Mulher Melão fez para a Playboy de setembro: ela tem esse apelido por causa dos seios ou do bumbum?

Tão podendo!

Atrás de Angela Merkel e Hillary Clinton, Dilma Rousseff entrou para o trio de mulheres mais poderosas do ranking da revista Forbes. Numa versão adulta do desenho animado das "meninas superpoderosas", pode dar um belo filme de terror.

Jeitoso

Quem viu Novak Djokovic de peruca loura imitando os trejeitos de Maria Sharapova na entrevista de abertura do US Open, garante: o tenista sérvio não é de se jogar fora!

Mulher maravilha

Recém-chegada do Deserto do Atacama, palco chileno de sua última reportagem "indescritível" sobre a paisagem, Glória Maria faz um pit stop no Rio, mas já está de malas prontas para Israel, onde será mestre de cerimônia do show de Roberto Carlos em Jerusalém. Como não tem do que se queixar, vai ao Muro das Lamentações só para não perder a viagem!

Partidão

O "dinheiro da viúva", como os argentinos chamam a fortuna de Cristina Kirchner, cresceu 928,84% nos últimos 8 anos. Virou "o partidão em pessoa", comenta-se na Casa Rosada.

Faxina líbia

Em sua última mensagem aos líbios, Kadafi conclamou seguidores a "purificar" Trípoli dos "ratos e infiéis". Não deixa de ser uma espécie de faxina ética, né?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.