Tutty Humor

Falar é fácil, Mano!

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2011 | 00h00

Tomara que eu queime a língua logo na estreia do Brasil na Copa América, mas o bom desempenho de Mano Menezes nas entrevistas coletivas cria expectativas que volta e meia se frustram com a má performance da seleção em campo. Mal comparando, tem sido mais agradável ouvir o técnico falar do que ver seu time jogar.

Articulado, simpático, educado, calmo e bem-humorado, o sucessor de Dunga contraria uma longa tradição de arrogância, teimosia e português ruim no exercício do cargo que ocupa há quase um ano.

Às vésperas de sua estreia em competições oficiais pela seleção, o cara não xinga, não foge a perguntas, não isola o grupo, não sobe o tom de voz, não fica de tromba, não se veste de maneira esquisita, não calça chuteiras na pátria, não inventa!

Com tudo tão certo fora das quatro linhas, é natural que se espere um bom entendimento em campo no domingo contra a Venezuela. Chegou a hora de Ganso, Neymar, Pato, Robinho & Cia demonstrarem com a bola a mesma habilidade que o técnico tem com as palavras.

No mínimo para que, se um dia voltar a entoar o coro de "burro" em jogos do Brasil, o torcedor não esteja pedindo a volta de ninguém.

Pechincha

Para se ter uma ideia do bom negócio fechado pelo sujeito que pagou

US$ 1,8 milhão em leilão nos EUA pela jaqueta de Michael Jackson no clipe Thriller, basta dizer que o vestido de Marilyn Monroe no filme O Pecado Mora ao Lado foi vendido há 10 dias por US$ 4,6 milhões.

Pai do real

Na carona do exame de DNA que descredenciou a paternidade do filho que FHC reconhecera ter com a jornalista Miriam Dutra, tem gente do PT - ô, raça! - duvidando que o ex-presidente seja pai do real. Pode?

Cabeça feita

Ainda bem que o filho de Myriam Rios e André Gonçalves já está bem grandinho para entender que as coisas que a mãe anda dizendo sobre gays dentro de casa não têm nada a ver com o papel de bicha louca que o pai está fazendo na novela Caras e Bocas, da TV Globo.

Tá explicado!

Chico Buarque explicou, enfim, o que quis dizer com o verso sobre o desejo de "amar uma mulher sem orifício": tem a ver com o mito grego de Pigmalião, cuja paixão de escultor teria dado vida a uma estátua de figura feminina. Ah, bom!

Teste de popularidade

Quem está louco aí pra ver o show do Ringo Starr no Brasil em novembro levanta o dedo! Tá vendo só: tem público pra tudo, meu!

Tipo aloprado

Convidada para interpretar Dilma Rousseff no cinema, Marieta Severo sugeriu para o elenco do filme alguns colegas de A Grande Família. O Agostinho (Pedro Cardoso) da série já tem mesmo um "Q" de Mercadante, né não?

Ausência anunciada

Frio suspende as aulas e justifica no nome de São José dos Ausentes em município gaúcho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.