Tutty Humor

Que história é essa?

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2011 | 00h00

O jornalista Ancelmo Gois, cabra-macho sergipano radicado na imprensa carioca, está apavorado! Teme que, quebrado o sigilo da história ultrassecreta do Brasil, volte à tona o mal-entendido político-etílico em que se viu envolvido numa festa de coleguinhas nos idos de 1989: lá pelas tantas da bebedeira, uma socialite penetra entendeu alguém dizer - e tratou de espalhar - que o colunista viveu um tórrido caso de amor com Collor durante a campanha eleitoral daquele ano.

O equívoco evidente - parece que o Ancelmo em questão era outro, sei lá! - logo virou piada no círculo de amigos mais chegados do jornalista. Até hoje provoca risinhos em Frei Paulo (SE), que também não tem dúvidas nem teme revelações sobre um de seus filhos mais ilustres. Dizem por lá que "sigilo eterno" é coisa de... deixa pra lá!

Fico pensando, a propósito, o que não vem junto com a papelada oficial sobre o desenho final dos limites territoriais do Brasil quando desenterrarem as coisas que o Barão do Rio Branco fez para, sem disparar um único tiro, anexar mais de 900 mil quilômetros quadrados de terras dos vizinhos.

Deus queira não seja nada tão cabeludo quanto a história secreta do Ancelmo.

Súdito abusado

"SERÁ QUE O PELÉ TAMBÉM FOI LOIRO ANTES DE MIM?!"

NEYMAR, que clareou o cabelo depois que o Rei disse ter usado corte moicano primeiro

que ele no Santos.

Efeito colateral

Quem já esteve com Hugo Chávez pós-operado de um abscesso pélvico em Cuba garante: o presidente venezuelano está falando meio fino. Fora isso, está em plenas condições de governar seu país.

Trocado a mais

No primeiro projeto de lei de sua autoria encaminhado à Câmara dos Deputados, Tiririca propõe a criação de uma bolsa de R$ 545 para adultos que aprendam a ler e escrever. Ou seja, pode estar legislando em causa própria.

É justo!

Policiais gregos estão só esperando a situação se acalmar em Atenas para iniciar greve por melhores salários. Pra apanhar nas ruas daquele jeito, francamente, só ganhando muito bem.

Outra droga

De um velho maconheiro que conseguiu lugar na plateia do STF para assistir ontem à tarde às intermináveis argumentações dos ministros do tribunal sobre a legitimidade das chamadas marchas da maconha:

"Parece que cheiram!"

Lá vem ela!

Notícia enguiçada é assim mesmo: quando você a esquece, ela reaparece no mesmo lugar. Está para voltar à pauta de votação no Senado a lei que redistribui os royalties de petróleo entre os Estados brasileiros - lembra dela?

Pátria de chuteiras

Mano Menezes atribuiu à "falta de comprometimento" de Marcelo com a seleção a ausência do lateral esquerdo do Real Madrid na Copa América. O Dunga começou assim, né não?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.