Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2011 | 00h00

Gilberto Kassab ainda não se pronunciou sobre o fim do mundo de ontem em São Paulo, mas já tem uma explicação bem plausível para os transtornos de terça-feira provocados por um ciclone extratropical: "Ventou demais da conta, ué!" Pelos cálculos do prefeito, rajadas de até 128 km/h concentraram em um só dia o total de ventos previstos para todo o mês de junho. Mal comparando, a cidade teve mais ruas bloqueadas por queda de árvores do que pontos de alagamento em dias de grandes enchentes.

Os números do vendaval são de dar inveja a temporal: 33 vias obstruídas, 47 sem luz, 180 árvores tombadas sobre a fiação suspensa, 10 cidades da Grande São Paulo sem água, 39 sinais de trânsito danificados, aeroportos fechados... "Ventou muito", não há dúvidas a respeito.

A lógica do prefeito serve para quase tudo que atazana a vida do paulistano. "É muito carro", pode-se dizer sobre os engarrafamentos. "É muita gente" no metrô, "muito menor abandonado" nos sinais de trânsito, "muito homofóbico" na região da Paulista, "muitos voos" em Congonhas, "muito arrastão" nos Jardins, e por aí vai.

De vez em quando, como ontem, acontece um pouco de tudo e, aí, não tem explicação.

Tempo de partida

Pelo depoimento de um guarda penitenciário que a tudo assistiu, o bota-fora de Cesare Battisti na Papuda foi tão comovente quanto a despedida de Palocci na Casa Civil. O ex-ativista italiano também foi aplaudido de pé pelos seus pares!

Bomba-relógio

Não falha: dia sim, dia não a Otan bombardeia a residência de Kadafi em Trípoli. O ditador aproveita as terças, quintas e sábados para ir em casa trocar de bata.

Começa assim

Imagina o drama dos casais que programaram lua de mel para esses dias em Bariloche. Dá vontade de cancelar o casamento, né?! Quem sabe não é um aviso, sei lá!

Pé na estrada

A volta olímpica de Ollanta Humala após sua vitória no Peru passou pelo Brasil e já está no Paraguai, de malas prontas para cruzar o Uruguai, a Argentina e o Chile. Se continuar nessa batida, o presidente eleito vai esbarrar muito por aí com o governador Sérgio Cabral.

Só dá ela!

O Coritiba perdeu a Copa do Brasil para o Vasco, mas essa não foi, como diz a oposição, a primeira grande decepção de Gleisi Hoffmann depois da posse. Pelo contrário, a ministra torce pelo Atlético Paranaense. Está, mais que nunca, feliz da vida!

Direitos individuais

Parada Gay de SP terá neste ano banheiros químicos separados para lésbicas, gays, bissexuais e travestis, identificados pelas iniciais LGBT.

O último socialista

A se confirmar o convite para dirigir a seleção cubana de futebol, o "doutor" Sócrates já decidiu: quer ganhar salário de trabalhador cubano. A que ponto chegou a democracia corintiana, né não?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.