Tutty Humor

Caveirão cor-de-rosa

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2011 | 00h00

Na ânsia de desbancar o ministro Ayres Brito, do STF, do posto de melhor amigo dos homoafetivos, o governador Sérgio Cabral soltou a franga da PM carioca, liberando o desfile até de caveirão na Parada Gay de Copacabana, em outubro. Policiais e bombeiros LGBT foram publicamente autorizados a frequentar o evento fardados e a bordo de veículos oficiais. Não ficou muito claro se houve veto ao salto alto no uniforme da Tropa de Choque ou restrições ao uso de helicópteros blindados para jogar pétalas de rosas na multidão.

Sempre à frente de seu tempo, Cabral não esperou que lhe batessem à porta para abrir o armário dos homens de farda: "Quem quiser que saia!" - anunciou, de supetão, no lançamento da campanha Rio Sem Homofobia. "Fora do Brasil, policiais e bombeiros gays andam com seus pares civis nas passeatas", observou o governador, de certa forma justificando por que diabos vive saindo do País em viagens oficiais.

Só no Rio - reparou ao voltar de Paris na semana passada - o Corpo de Bombeiros sai às ruas para reivindicar aumento salarial e melhores condições de trabalho. "Essa gente precisa se divertir", pensou com seus botões antes de liberar geral. A greve dos caras terminou ontem!

Outro homem

Em sua defesa, Arnold Schwarzenegger pode muito bem alegar que, no tempo em que pegava a empregada da família, nem se falava ainda em sustentabilidade.

Fala tu

"NÓS PEGA O PEIXE, E PERDE!"

TORCEDOR DO CORINTHIANS, fazendo uso da linguagem de livro didático autorizado pelo MEC

Maldição

Não sei se isso serve de consolo aos corintianos, mas 2012 será o ano do centenário do Santos. Ou seja, vem aí o "sem ter nada" deles, mano!

Holandeses afetivos

Que situação a dos três médicos holandeses que vieram ao Rio para um congresso de cirurgia ortopédica e foram presos ontem tomando banho peladões na Praia de Copacabana, às 7h da manhã, quando voltavam de uma festa! Que diabos os pobrezinhos vão dizer em casa? Tomara que o delegado alivie os caras, né não?

Plano perfeito

Está tudo correndo do jeitinho que o presidente Sarkozy planejou: a confirmação da gravidez da primeira-dama Carla Bruni saiu, não à toa, dias após a prisão por estupro de seu principal adversário nas eleições de 2012, na França.

Agora vai!

Depois da implosão frustrada do estádio de Brasília, comenta-se no Eixo Monumental que a única coisa capaz de derrubar o Mané Garrincha é a cachaça. Restará ainda ao governo do Distrito Federal o recurso extremo de abrir concorrência para homem-bomba.

Não tem preço

José Serra teve bons motivos para defender publicamente a evolução patrimonial do ministro Palocci. Só o prazer de irritar alguns colegas tucanos já vale a solidariedade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.