Tutty Humor

Papo furado

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2011 | 00h00

Pensa aí numa discussão bacana! Uma polêmica, um absurdo, uma injustiça, um avanço social, um reconhecimento, um sonho, uma necessidade, um troço engraçado, uma providência, um prazer, sei lá, qualquer assunto que te pareça relevante ou instigante, se levado ao Congresso Nacional, vira uma chatice inominável.

Os caras sabem como estragar um bom debate!

Periga ser uma tática política! Tornar aborrecido ou desagradável algo que lhe interesse seria, no caso, o primeiro passo para desviar sua atenção enquanto eles aproveitam o assunto para o quebra-pau de sempre.

O debate sobre o novo Código Florestal não tem, rigorosamente, nada a ver com o meio ambiente. Se estivessem discutindo a criminalização da homofobia, o uso da burca ou a eliminação do São Paulo na Copa do Brasil, a baixaria seria a mesma.

Seja qual for o debate em curso, os argumentos de lado a lado servem apenas de pretexto para a briga de gangues que se trava no Congresso. Não necessariamente entre governo e oposição, parece que toda essa confusão em torno do Código Florestal tem origem em uma rebelião da base aliada. Tadinha das árvores, né?

Peitchen nunca mais

De lingerie, deu pra ver direitinho: os seios de Gisele Bündchen estão mesmo diminuindo. Repara só! Parecem menores agora do que antes da amamentação. Ou não!

Momento meigo

O ator Paulo Vilhena, que dia desses deu uma cusparada no Rafael Cortez, do CQC, chorou feito criança no programa da Xuxa, emocionado com o depoimento do amigo Fábio Penna: "É com ele que eu tenho colo, conforto e carinho!" Fofo!

Mal comparando

Pelos relatos do serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, o PCC está mais desarticulado no Estado do que a Al-Qaeda em Nova York.

Luta do século

Ao dizer publicamente que "los brasileños son grandes maricones", o ex-goleiro paraguaio José Luís Chilavert deveria ter aberto exceção para os filhos do Jair Bolsonaro. Vai que o deputado resolve dizer o que acha do Paraguai!

Antes da alta

Dilma Rousseff vive o melhor momento de sua convalescença: um atestado médico livrou a presidente de viagem oficial ao Paraguai neste fim de semana.

Nada sério!

Mano Menezes prefere dizer que está "só ficando" com o Rio, onde agora mora com a família. O último técnico a anunciar um caso de amor com a cidade foi o Muricy Ramalho e, como se sabe, deu no que deu: abandono de lar!

Deixa disso!

Que diabos aconteceu com o racha do Partido Verde? Estavam todos às turras no noticiário e, de repente, não se fala mais nisso no partido.

O PSDB deveria seguir o exemplo, né não?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.