Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2010 | 00h00

O problema da nossa opinião pública - essa que o Lula diz que somos nós - é que o povo mente muito, em especial nas chamadas "pesquisas qualitativas". Não faz por mal, mas, sempre que tem a chance de dizer alguma coisa além de "sim" ou "não", "fulano" ou "beltrano", o brasileiro falta descaradamente com a verdade para parecer um sujeito correto em tudo que faz. Repara só: todo mundo por aqui, quando entrevistado por um desses institutos, tem hábitos saudáveis, aspirações legítimas, comportamento equilibrado, horror à corrupção e fé. Algum hobby? "A leitura!" Da soma dessas mentirinhas, nasce a opinião pública nacional.

Na atual campanha política, a danada criou a mística de que o eleitor está cansado de brigas, de troca de acusações entre candidatos, de baixarias políticas em geral. Não à toa, justamente para agradá-la, o debate de quinta-feira foi mediado pela ordem suprapartidária de, em nenhuma circunstância, provocar, cutucar ou esculachar o adversário. O resultado, todos viram, foi o confronto mais tedioso da era dos debates de presidenciáveis no Brasil. Teve marqueteiro que dormiu na plateia do Projac!

General caçula

O que mais impressiona na primeira imagem oficial de Kim Jong-un é a cara de bobo do

sucessor de Kim Jong-il na Coreia do Norte. Só se fala disso em Pyongyang!

Urubu maltratado

Para se ter uma ideia da gravidade da crise no Flamengo, a péssima campanha do time no Brasileirão não tem nada a ver com a demissão de Zico do comando do futebol no clube. A propósito, desde que aprisionaram aqueles urubus na Bienal de São Paulo, a situação do rubro-negro carioca só faz piorar.

Vanguarda do atraso

O Equador está tentando reinventar o golpe militar. Assim, com sequestro de presidente da República como forma de pressão em campanha salarial de policiais, sinceramente, eu nunca tinha visto.

Risco institucional

A turma do "deixa disso" tenta ainda controlar a situação em Brasília.

Parece que tem aloprado por lá falando em quebrar o sigilo telefônico do ministro Gilmar Mendes.

Chega de exploração!

Michel Assef Filho, advogado de Dado Dolabella, vai acabar tendo um troço. Pelo tanto de trabalho que o ator está lhe dando - foi preso dia desses com maconha -, francamente, merece um bom reajuste de honorários. Essas coisas a OAB não vê!

Cai-cai

De Aloizio Mercadante, torcedor do Santos, ao receber a notícia de que Dilma Rousseff havia parado de cair: "Agora só falta o Robinho!"

Mal comparando

Entreouvido dia desses na área de embarque do Aeroporto de Congonhas: "A Webjet ainda vai nos fazer sentir saudades da Gol!"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.