Tutty Humor

Febeapá: do bafo ao caô!

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2010 | 00h00

A gíria caiu em desuso. Ninguém mais fala "bafo", no sentido de mentira, conversa fiada, cascata... Mas, nem tanto tempo assim faz, pegava superbem empregar o termo para resumir o descontentamento geral com tudo isso que aí está. O Aurélio define bem que época é essa na citação de Stanislaw Ponte Preta, em Febeapá 2: "Quando eles fizeram aí essa revolução e falaram tudo aquilo, que iam salvar o País, que iam prender tudo que é safado, que isso, que aquilo, eu cheguei a ter uma esperançazinha. Palavra de honra! Mas logo depois eu vi que era tudo bafo."

Sérgio Porto não viveu para ver mas, quando acabou a ditadura, falaram tudo aquilo de novo, que iam salvar o País, que iam prender tudo que é safado, que isso, que aquilo... Continuam até hoje insistindo no mesmo bafo! Na tecla SAP das novas gerações, "tudo caô!" Não há outra explicação para a queda no número de eleitores brasileiros com menos de 18 anos.

Neste pleito, em particular, o bafo dos políticos atinge níveis alarmantes. Como ninguém tem mais a menor responsabilidade sobre o que diz e multar, simplesmente, não está surtindo efeito, talvez seja hora de submeter os candidatos em campanha ao teste do bafômetro. Bafômetro a garotada sabe o que é, né?

Brasileiro gentil

Sylvester Stallone aproveitou o lançamento internacional de seu filme rodado no Brasil para dizer que, por aqui, qualquer um pode chegar, explodir tudo e ainda ouvir dos nativos "obrigado, e leve um macaco".

De quebra, deu cano num monte de gente que a produção contratou no País.

Anotou aí?

Pandemia

Que diabos está acontecendo com os goleiros no Brasil? O Felipe, do Corinthians, deu agora pra dizer que está sendo "perseguido por alguém muito poderoso". Será que está tudo bem com o Rogério Ceni?

Lugomania

E a "suposta" filha de 55 anos que a Justiça decidiu obrigar José Alencar a reconhecer, hein?! Vão pensar no serviço de inteligência dos EUA que ele é vice-presidente do Paraguai.

Mal comparando

É impressionante como, depois do Dunga, o Muricy Ramalho nem parece um cara assim tão mal-humorado para dirigir a seleção, né não?

Segunda chance

A repentina ruptura diplomática entre Venezuela e Colômbia põe de novo à prova o poder de deixa disso de Lula. O presidente não pode errar de novo.

Tá na cara!

Das duas, uma: ou a Argentina arruma logo uma ocupação para o Maradona no país ou ele vai acabar fazendo bobagens continente afora. Depois não digam que não avisei!

Calor humano

O fim de semana repleto de turistas em Campos do Jordão promete sensação térmica 3º C acima da temperatura ambiente na cidade. Capaz de ficar mais fresco em São Paulo!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.