Turista enfrenta trânsito na Rio-Santos na chegada ao litoral

Percurso normalmente feito em cerca de 50 minutos pode levar até uma hora e meia; na Tamoios e na Oswaldo Cruz, o tráfego flui bem

Reginaldo Pupo, Especial para o Estado

01 Maio 2015 | 15h07

SÃO SEBASTIÃO - O turista que decidiu descer para o litoral norte de São Paulo no feriado prolongado do Dia do Trabalho enfrenta trânsito intenso na Rodovia Rio-Santos nesta sexta-feira, 1º. No trecho paulista, a via corta as cidades de Bertioga, São Sebastião, Caraguatatuba e Ubatuba. O fluxo é maior entre Caraguatatuba e Ubatuba.

A viagem, que normalmente é feita em 50 minutos, está sendo percorrida em uma hora e meia, por causa da presença de faixas de pedestres que cruzam a estrada e dá acesso a diversos bairros populosos dos dois municípios. 

Na altura da Praia Grande, em Ubatuba, o percurso leva o dobro do tempo - 15 minutos, ante sete em dias normais.

Já em São Sebastião o turista enfrenta lentidão em alguns trechos da região sul, onde estão concentradas as praias mais conhecidas, como Maresias, Juqueí, Barra do Una, Camburi, Baleia, entre outras. Apesar do sol, não faz calor na região, mas mesmo assim, as praias estão movimentadas.

Quem deixou para descer ao litoral norte não enfrenta trânsito na Rodovia dos Tamoios, que liga São José dos Campos a Caraguatatuba, e na Oswaldo Cruz, que liga Taubaté a Ubatuba.

Por sua vez, na Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro, que liga Taubaté a Campos do Jordão e outras cidades serranas, o movimento é normal. Campos aguarda 150 mil turistas neste feriado, de acordo com estimativas da Secretaria de Turismo. O movimento também é tranquilo na Mogi-Bertioga.

Em Ilhabela, o movimento é intenso na SP-131, única via que liga o sul ao norte do arquipélago. O fluxo é moroso na chegada às praias - muitas delas ficam bem próximas à pista. Com isso, sem acostamento, os turistas são obrigados a deixar os carros nas calçadas. A Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) estima que 16 mil veículos atravessem para a cidade, transportando cerca de 50 mil pessoas. Sete balsas estão operando, o que diminui o tempo de espera na fila.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.