Bobby Fabisak/JC Imagem-21/3/2011
Bobby Fabisak/JC Imagem-21/3/2011

Turbinas do voo 447 da Air France são achadas

França anuncia descoberta feita pela expedição que vasculha o Atlântico em busca dos destroços do avião que fazia a rota Rio-Paris e caiu em 2009

Andrei Netto, O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2011 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

O Escritório de Investigações e Análise (BEA) da França, órgão que investiga as causas da queda, em 2009, do Airbus da Air France que fazia o voo 447 entre Rio e Paris, anunciou ontem ter localizado no Oceano Atlântico, a 3,8 mil metros de profundidade, destroços da aeronave. Imagens submarinas das turbinas e de outras peças confirmam que se trata do avião acidentado, no qual morreram as 228 pessoas a bordo.

Entre as peças localizadas estão as turbinas. Não foram encontradas as duas caixas-pretas, que registram os parâmetros de voo, e o Cockpit Voice Recorder (CVR), que grava as conversas e os sons na cabine do piloto.

Apesar do otimismo com a descoberta, Martine Delbono, porta-voz do BEA, pediu ontem paciência com os trabalhos de pesquisa. "Estamos muito prudentes. Nós descobrimos o local do acidente e isso é muito importante", afirmou, admitindo que a descoberta traz novas perspectivas à investigação. "Em 10 dias vamos concluir a fase 4, que consistia em localizar os destroços. É algo que vai permitir trabalhar sobre as causas do acidente."

A descoberta dos destroços ocorreu no oitavo dia de buscas - de um total de mais de 100 - da quarta expedição coordenada pelo BEA no Atlântico. Ela é liderada por uma equipe de especialistas americanos que em 2010 realizou uma expedição aos destroços do Titanic. Esta etapa de buscas - a maior já realizada, com custo de ? 9,2 milhões e financiada pela Airbus e pela Air France - varrerá 10 mil km², em torno da última posição do Airbus.

"É uma excelente novidade que recompensa a nossa tenacidade para descobrir a verdade sobre a queda", afirmou o vice-presidente de uma associação de vítimas, Robert Soulas.

PARA LEMBRAR

Em março, a Justiça da França anunciou que vai abrir investigação oficial contra a Airbus por homicídio culposo (sem intenção) dos 228 passageiros e tripulantes do voo 447 da Air France. A abertura oficial de investigação significa que os juízes de instrução do caso consideram que há elementos indicando possível responsabilidade em um crime. No caso do voo AF-447, desaparecido no Atlântico quando realizava a rota Rio-Paris, em 31 de maio de 2009, a Airbus é suspeita de ter negligenciado o risco de falhas nos sensores de velocidade das aeronaves, os chamados tubos Pitot.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.