Tumulto na apuração foi planejado por pelo menos seis escolas, diz polícia

Além de integrantes da Império de Casa Verde e Gaviões, imagens de TV envolvem diretores de Vai-Vai, Camisa, Pérola e Tom Maior

O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2012 | 03h01

A polícia investiga o envolvimento de integrantes de seis escolas de samba no planejamento do tumulto e do quebra-quebra que transformaram em vexame a apuração do carnaval paulistano. Na lista estão Camisa Verde e Branco, Vai-Vai, Gaviões da Fiel, Império de Casa Verde, Pérola Negra e Tom Maior.

"Há imagens claras (de TVs) de dirigentes conversando e se dirigindo minutos antes da invasão para os portões. Essas pessoas estavam envolvidas diretamente no episódio", afirmou o delegado Mauro Marcelo de Lima e Silva, da Divisão de Proteção ao Turista (Deatur).

Entre os filmados conversando antes da ação está Tiago Ciro Tadeu Faria, de 29 anos, da Império de Casa Verde, preso anteontem após rasgar as notas do último quesito. Pelo mesmo crime, inafiançável, foi detido posteriormente Cauê Santos, de 20 anos, da Gaviões da Fiel.

A polícia também quer esclarecer a participação de Alexandre Salomão, o Teta, da Camisa Verde e Branco, e Darly Silva, o Neguitão, presidente da Vai-Vai. "Eles serão chamados para prestar depoimento e poderão ser indiciados", afirmou o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, que também atua na Deatur.

Procurado, Teta - que aparece chutando envelopes - disse que só invadiu a área para verificar se as notas do último quesito poderiam ser recuperadas. "Se a Camisa tirasse dois 10, poderíamos escapar do rebaixamento." Diretores da Pérola Negra também negaram, à TV Globo, que tivessem intenção de tumultuar. A preocupação seria com o rebaixamento da agremiação.

Neguitão alegou que se aproximou da mesa de apuração para reclamar da troca de jurados feita na quinta-feira. "Os dois tiraram a Vai-Vai da briga." Já a Império negou qualquer ligação com Faria. Diretores de outras escolas não foram encontrados.

De acordo com Lima e Silva, já havia informações sobre uma tentativa de "melar" a apuração. Por isso, o policiamento teria sido reforçado na apuração. No entanto, a invasão ocorreu em área sob vigilância da Liga. /ARTUR RODRIGUES, WILLIAM CARDOSO, CAMILLA HADDAD, CRISTIANE BOMFIM E TIAGO DANTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.