Tuma diz que pedirá para ser investigado

Tuma diz que pedirá para ser investigado

Vereador voltou a negar que tenha participação no suposto esquema de cobrança de propina durante a CPI dos Alvarás

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2014 | 03h00

SÃO PAULO - O vereador Eduardo Tuma (PSDB) voltou a negar nesta segunda-feira que tenha participação no suposto esquema de cobrança de propina durante a CPI dos Alvarás, finalizada no início do mês, após oito meses de trabalhos. E afirmou que pedirá a instauração de uma investigação na Corregedoria da Câmara para apurar as denúncias.

“Nego veementemente envolvimento. Exonerei o assessor Antônio Pedace do meu gabinete e já apresentei uma interpelação criminal, no Fórum da Barra Funda, contra esse Marcos Peçanha, que nunca vi na vida. Ele usou meu nome de maneira ilegal e terá de se retratar. Além disso, vou pedir a abertura de uma sindicância ”, disse.

Tuma não revelou, porém, quem sugeriu o nome de Pedace para trabalhar em seu gabinete. Ele afirmou apenas se tratar de uma “indicação política”. Após a veiculação do vídeo pelo Fantástico, o vereador disse que não mais conversou com o antigo funcionário, que recebia um salário líquido de R$ 4,1 mil. O advogado de Pedace assumiu o caso ontem e, por isso, preferiu não se manifestar ainda. Os demais citados não foram localizados pelo Estado.

A abertura de uma sindicância interna contra Eduardo Tuma deverá ser decidida amanhã, pela corregedora Sandra Tadeu (DEM). 

Tudo o que sabemos sobre:
São PauloCPI dos Alvarás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.