HELVIO ROMERO / Estadão
HELVIO ROMERO / Estadão

Tucuruvi leva alegria dos antigos carnavais para o Anhembi

Escola animou público e não cometeu erros técnicos, o que foi comemorado pelos integrantes ao final do desfile

Mônica Reolom e Paula Felix, O Estado de S. Paulo

14 Fevereiro 2015 | 02h17

SÃO PAULO - A Acadêmicos do Tucuruvi levou ao Anhembi uma explosão de cores ao relembrar as marchinhas de carnaval desde o início, em 1899. A escola animou a plateia e não cometeu erros técnicos, o que foi bastante comemorado ao final do desfile.

Entre pierrôs e colombinas, os carros alegóricos e sambistas acrescentaram às cores azul, branca, vermelha e amarela tons fortes de laranja, rosa e verde. O abre-alas retratou o surgimento do samba, que teria nascido na casa de uma quituteira chamada Tia Ciata, que morava na Praça Onze, no Rio de Janeiro.

A segunda alegoria fez uma homenagem para Chiquinha Gonzaga, que compôs a primeira marchinha de carnaval: "Ó, Abre Alas". O terceiro carro tinha a estátua de uma porta-bandeira que girava. Na quarta alegoria, a agremiação fez uma nova homenagem, desta vez para a cantora Carmen Miranda.

A brincadeira do carnaval ficou por conta das alas, que representavam marchinhas conhecidas. Bebês com mamadeiras eram "Mamãe, Eu Quero" e homens cabeludos remetiam à "Cabeleira do Zezé". Um dos símbolos do carnaval, o Rei Momo fechou o desfile na última alegoria. Articulado, ele acenava para o público. "Foi maravilhoso, dentro do programado e trouxe as marchinhas que estão sendo esquecidas. Este é o carnaval da minha vida, que eu dedico para a Dona Edna, que era a mãe da escola e nos deixou há quase três anos", disse o presidente da agremiação Hussein Abdo Elselam.

Mais conteúdo sobre:
Carnaval Acadêmicos do Tucuruvi

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.