Denis Ferreira Netto/Estadão
Denis Ferreira Netto/Estadão

Tucano ligado a Serra cuidará de gestão e privatizações de Covas

Mauro Ricardo será o novo secretário de Governo da Prefeitura; ele já atuou nas gestões Kassab e Serra

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2018 | 12h51

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), convidou o ex-secretário de Finanças da gestão Gilberto Kassab (PSD) e da Fazenda estadual da gestão José Serra (PSDB) para ocupar a secretaria de Governo, cargo que cuida da articulação política entre os órgãos do poder Executivo. Mauro Ricardo deve tomar posse assim que se descompatibilizar de cargo de carreira que ocupa no governo federal.

Ricardo, que é tido dentro do PSDB como homem muito ligado a Serra, também ficará responsável pela articulação do Plano Municipal de Desestatização, que toca as privatizações propostas pelo governo. 

Em sua última passagem pela Prefeitura, em 2012, Ricardo determinou arquivamento de denúncias de corrupção na pasta que comandava. No ano seguinte, o esquema foi investigado pelo Ministério Público e pela Controladoria-Geral do Município. Chamada de Máfia do Imposto Sobre Serviços (ISS), o caso se tratou de um amplo esquema de pagamentos de propina a fiscais, que causou prejuízo estimado na época em  R$ 500 milhões aos cofres públicos. Nenhuma relação entre Ricardo e os fiscais, já condenados pela Justiça, foi comprovada.

Segundo Covas, Ricardo foi convidado porque o atual secretário, Julio Semeghini, deverá assumir uma secretaria, ainda não anunciada, na gestão de João Doria (PSDB) no governo do Estado. Com a medida, ele coloca dois quadros respeitados dentro das bases tucanas na gestão: Ricardo para articular internamente na Prefeitura e o presidente do diretório municipal, João Jorge, para a chefia da Casa Civil, para articular as relações entre a Prefeitura e a Câmara Municipal.

Outra mudança é na Secretaria de Coordenação das Subprefeituras. O atual titular, Marcos Penido, também irá trabalhar com Doria. Em seu lugar, assume o secretário adjunto, Alexandre Modonezi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.