Trotes ocupam 20% das chamadas de emergência de SP

Copom e Cobom fazem triagens para evitar trotes; para casos não emergenciais, a PM atende em 0800-555190

Paulo R. Zulino, do estadao.com.br,

05 de março de 2008 | 14h48

As centrais de operações da Polícia Militar (Copom - fone 190) e dos Bombeiros (Cobom - fone 193) são responsáveis pelo atendimentos de emergência dentro da cidade de São Paulo. Esse serviço, essencial para garantir a segurança da população, é atrapalhado, no entanto, pela falta de informação ou até mesmo pela má fé dos próprios usuários. De acordo com o major Wilson de Oliveira Leite, chefe do Copom, cerca de 20% das chamadas atendidas pelos operadores são trotes, com pessoas ligando sem necessidade, ocupando as linhas e dificultando o trabalho da PM. Segundo o titular do Copom, que recebe cerca de 35 mil ligações por dia, os tipos de trotes são os mais variados possíveis e incluem, entre outros casos crianças que ligam por brincadeira e simulações de ocorrências, que muitas vezes mobilizam as viaturas e equipes da polícia sem nenhuma necessidade.  No caso dos bombeiros, o oficial de comunicações da corporação, tenente Vitor Carvalho, explicou que os operadores também já estão acostumados com os trotes e fazem uma triagem do que pode ou não ser verdade. Apesar disso, salientou, que os bombeiros acabam indo verificar uma ou outra ocorrência falsa todo dia. Conforme o tenente, o Cobom atende uma média de nove mil ligações por dia. Em casos de emergência - como, por exemplo, quando uma pessoa seqüestrada tenta entrar em contato com a polícia ou alguém quer informar os bombeiros sobre um incêndio - qualquer minuto perdido pode ser fatal, frisou o major Wilson. Ele lembra que passar trote para a polícia é crime e pode dar cadeia. Destacou, por outro lado, que também é muito comum a ocorrência de ligações supérfluas para o 190 - como para perguntar sobre a localização de ruas ou placa do rodízio no dia - o que acaba atrapalhando a operação da Copom. Para casos não emergenciais, a Polícia Militar tem um outro número disponível: 0800 555 190.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.